Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


13 em Lula

Brasília começa a trocar 1 por 4 para Leandro derrotar Ibaneis

Publicado

Foto/Imagem:
Pretta Abreu - Foto Reprodução

Acostumados a cravar o 13 na urna eletrônica em dia de eleição, os petistas de Brasília estão se adaptando a um novo número: 43. Há, entre lulistas, a necessária consciência de adaptação à realidade política a partir da criação da Federação PT-PV-PCdoB. Assim, começam a memorizar, desde já, que na hora de confirmar o nome do candidato ao Palácio do Buriti, sai o 1  entra o 4. O 13 do PT, dizem correligionários de Leandro Grass, vale para o Senado e para os candidatos proporcionais (deputados federais e distritais), além, claro, para Lula.

O sentimento existente entre simpatizantes de Leandro Grass, é o de que o candidato da Federação crescerá durante a campanha iniciada nesta terça, 16. Com o lulismo abraçando o 43, avaliam, não haverá dificuldades em colocar o deputado distrital do PV no segundo turno. Contra quem, só as urnas dirão. Porém, de acordo com as últimas pesquisas, o nome a ser batido é o do governador Ibaneis Rocha (MDB), que tenta a reeleição.

Leandro está otimista. Isso ficou claro logo após o amanhecer, quando a campanha eleitoral começou a todo vapor. Candidato ao Palácio do Buriti pela Federação Brasil Esperança, o deputado revelou que uma das suas principais metas é transformar completamente a mobilidade urbana na capital da República. “Nosso objetivo é que o DF e as cidades do Entorno tenham um sistema de transporte público mais eficiente e confortável, transparente e no qual os preços das passagens diminuam progressivamente, rumo à tarifa zero”, afirmou.

As mudanças, segundo Leandro, serão realizadas a partir de um novo modelo de gestão e de operação do transporte público a ser implantado, que inclui a criação do Bilhete Ir e Vir. Assim, explica, os usuários poderão realizar múltiplas viagens de ônibus e no metrô — e o melhor de tudo: sem aumentar o valor das tarifas.

Bilhete Ir e Vir
O bilhete Ir e Vir será um cartão que o usuário comprará para um determinado período – semanal, quinzenal ou mensal – com o valor apenas das passagens de ida e volta desses dias. Mas, durante o período contratado, o passageiro poderá fazer quantas viagens quiser e para onde preferir, de ônibus e de metrô, de graça, sem pagar nenhum centavo a mais.

O novo modelo vai permitir reduzir o valor das passagens a fim de contribuir para o desenvolvimento e para a qualidade de vida das pessoas. Essa proposta já existe em diversas outras cidades do mundo, especialmente na Europa. “Isso vai reduzir o custo individual e permitir que as pessoas usem o transporte público para além do horário de trabalho, pra ir ao cinema ou ao parque, por exemplo”, ressalta Leandro.

Tarifa Zero e Passe Livre
Os usuários também poderão pagar cada passagem sem adquirir o bilhete Ir e Vir, com uma redução progressiva no valor. “Ainda estamos estudando a possibilidade de operação de algumas linhas gratuitas, ligando, por exemplo, os bairros mais distantes aos terminais e às estações de metrô ou às vias por onde passam os ônibus de longa distância”, explica.

O programa de governo de Leandro Grass pretende, ainda, ampliar a validade do Passe Livre Estudantil para permitir o uso nos finais de semana e em períodos de férias. Outra mudança vai garantir que os cartões sejam entregues nas escolas e universidades.

“Queremos que o DF seja referência na qualidade do transporte e ele seja de fato para todos, com menor custo e mais organização, o que vai beneficiar todos os brasilienses e o Entorno da capital”, pontua.

Sistema
Leandro Grass avisa que as alterações no transporte incluem mudar o sistema de remuneração das empresas de ônibus.

“A ideia é acabar com essa montanha de dinheiro público que vai para as empresas sem que haja um serviço decente”, comenta. Ele esclarece que pretende substituir o pagamento por passageiro pelo quilômetro rodado. Além disso, destaca que é preciso garantir na prática a fiscalização das empresas. “Isso não acontece hoje e elas fazem o que querem, mas terão que cumprir rigorosamente os horários e oferecer ônibus confortáveis e seguros para as pessoas”, aponta.

Outra meta estabelecida por Leandro envolve reduzir a emissão de carbono para tornar o sistema de transporte público local menos poluente.

Publicidade
Publicidade