Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Cada descoberta, uma surpresa. Há vida lá fora, sim

Bartô Granja, Edição

Uma nova e surpreendente pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Chicago revelou que existem exoplanetas lá fora, que poderiam ser ainda mais adequados para a vida do que o nosso próprio mundo, de acordo com a Science Alert.

O objetivo dos cientistas era “identificar os oceanos exoplanados que têm a maior capacidade de sediar uma vida globalmente abundante e ativa”, explicou Stephanie Olson, líder do estudo, enquanto a equipe apresentava suas descobertas no Congresso de Geoquímica Goldschmidt, em Barcelona.

“A vida nos oceanos da Terra depende da ascensão (fluxo ascendente) que devolve nutrientes das profundezas escuras do oceano às porções iluminadas pelo sol do oceano onde vive a vida fotossintética. Mais ressurgência significa mais reabastecimento de nutrientes, o que significa mais atividade biológica. condições que precisamos procurar em exoplanetas “, disse ela

Como aponta a revista Astronomy, estudos anteriores sobre a potencial habitabilidade dos exoplanetas “negligenciaram largamente” o papel dos oceanos na regulação climática global e no transporte de calor, enquanto Olsen e seus colegas “focaram nesse nicho” comparando diferentes combinações de climas e oceanos. habitats que podem existir.

Usando um software chamado ROCKE-3D desenvolvido pelo Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA para modelar os exoplanetas em perspectiva, os cientistas determinaram que uma combinação de atmosferas mais espessas com taxas de rotação mais lentas e a presença de continentes resultam em maiores taxas de ressurgência.

“Esta é uma conclusão surpreendente. Ela nos mostra que as condições em alguns exoplanetas com padrões de circulação oceânica favoráveis ​​poderiam ser mais adequadas para sustentar vida mais abundante ou mais ativa que a vida na Terra”, observou Olson.

Espera-se que a pesquisa forneça parâmetros adicionais aos astrônomos em busca de sinais de vida em mundos distantes, com Olson sugerindo que “devemos direcionar o subconjunto de planetas habitáveis ​​que será mais favorável a grandes biosferas globalmente ativas”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente