Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Multiartista

Caetano, 80 anos, continua caminhando contra o vento

Publicado

Foto/Imagem:
Luiz Cláudio Ferreira/Via ABr - Foto Filipe Costa

Gênio da arte brasileira, o multiartista Caetano Veloso chega aos 80 anos de idade neste domingo (7), trabalhando ativamente, com um sem-número de clássicos da música popular, de trabalhos premiados, com um passado e um presente que lhe garantem admiração no Brasil e internacionalmente como uma das principais referências artísticas do País.

São muitos os acervos com shows, programas, materiais especiais, reportagens e histórias de Caetano, o baiano de Santo Amaro da Purificação, o quinto filho de seu Zezinho e dona Canô (apelidos dos pais do artista). Entre os irmãos de Caetano, está outro grande nome da arte brasileira, a cantora Maria Betânia, quatro anos mais jovem do que ele.

O multiartista que nunca parou de compor nem de cantar, tem uma discografia de 48 álbuns, além de escrever livros e produzir cinema. Tem intensa agenda de shows além de outras atividades. Um exemplo de que o homem não quer saber de descanso é que, no aniversário, neste domingo, ele fará um show gratuito em plataformas de internet, conforme anunciou em sua página no Instagram.

A história de vida do artista é de sucessos, mas também feita em uma estrada de personalidade. Quem diria! Já faz quase 55 anos que o jovem Caetano Veloso entrou no palco do Festival da TV Record para cantar Alegria, Alegria, momento inesquecível da vida do artista.

Há 10 anos, a TV Brasil homenageou o então septuagenário artista. A emissora enfatizou que o artista nascido na Bahia teve também influência na vida no Rio de Janeiro. O vídeo destaca o espírito criativo e pensador do artista. Assista abaixo ao vídeo que tem a opinião de outros artistas sobre Caetano.

“A Bahia já me deu régua e compasso” ou “Menino do Rio, calor que provoca arrepio…”

Caetano participou do Programa Samba na Gambôa, da TV Brasil, e contou a história da música É de Manhã, que ele compôs no ano de 1963, e que foi gravada por grandes nomes da música brasileira, o que o surpreendeu. “O samba fez parte da minha educação.”

“É de manhã
É de madrugada
É de manhã
Não sei mais de nada
É de manhã
Vou ver meu amor” (…)

Publicidade
Publicidade