Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Câmara convoca quatro ministros e impõe nova derrota a Dilma em 24h

Publicado

Foto/Imagem:


Com apoio de deputados da base aliada, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira a convocação de quatro ministros para prestar esclarecimentos na Casa. Os deputados, insatisfeitos com a articulação política do governo Dilma Rousseff, levaram o governo a uma nova derrota.

Os deputados decidiram convocar o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, para prestar esclarecimentos sobre obras de mobilidade urbana e a resolução que dispõe sobre implantação de simuladores em autoescolas; e os ministros Manoel Dias (Trabalho), Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) e Jorge Hage (Controladoria Geral da União) para falar de denúncias sobre irregularidades envolvendo ONGs.

Ontem, partidos da base aliada levaram à aprovação de um requerimento que cria uma comissão para acompanhar, na Holanda, investigações que envolveriam a Petrobras. Dos partidos que formaram um bloco informal envolvendo partidos da base aliada, PP, Pros e PDT decidiram, após se reunir com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a ajudar o governo a evitar derrotas na Câmara.

A convocação de dois ministros – Aguinaldo Ribeiro e Manoel Dias – foi vista como uma forma do blocão em dar o troco ao partido dos dois, o PP e o PDT, que se alinharam ao governo na votação de ontem, que criou a comissão da Petrobras. Ambos partidos tentaram obstruir a votação.

O líder do PP, Eduardo da Fonte (PE), negou que seu partido tenha saído do “blocão” de governistas descontentes, mas disse que não busca enfrentamento com o Planalto. Segundo ele, o partido defendia ouvir os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Jorge Hage (CGU) antes de votar o requerimento para criar a comissão.

“É importante que a gente escute e depois delibere no plenário, e não antecipar a deliberação. Nós não mudamos posição. Nossa posição foi liberar a bancada”, disse. “Nós estamos discutindo a relação (com o governo), querendo um debate com a sociedade. Não queremos o enfrentamento. O PP não vai entrar em enfrentamento com o governo”, afirmou.

Para o deputado José Guimarães (PT-CE), a oposição se aproveitou de divergências da base aliada para aprovar as convocações. “O governo não tem problema nenhum em mandar os seus ministros para discussão, faz parte do jogo democrático, não fugiremos a esse debate. Evidentemente, uma convocação tem motivos políticos. E é papel evidentemente que a oposição está jogando. Nós precisamos é acertar a nossa relação na base. A oposição está no direito dela”, disse.

Antes de aprovar as convocações, os deputados da comissão já haviam aprovado um convite para a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, e o ministro da Saúde, Arthur Chioro, prestar esclarecimentos na Casa. Nesse caso, as autoridades não ficam obrigadas a comparecer, embora tenha havido um entendimento com deputados petistas de que ambos iriam à Câmara.

Outras comissões também aprovaram nesta manhã convites direcionados a ministros: a de Ciência e Tecnologia chamou Marco Antonio Raupp (Ciência e Tecnologia) e Paulo Bernardo (Comunicações); a Comissão de Integração Nacional convidou o ministro da mesma área, Francisco Teixeira; o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, foi convidado pela Comissão de Desenvolvimento, Indústria e Comércio; e a Comissão de Viação e Transportes aprovou convite para o Secretário de Aviação Civil, Moreira Franco.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade