Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Zika, malária etc

Cérebro de mosquito pode levar à cura de muitas doenças

Publicado

Foto/Imagem:
Igor Kusnetsov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Novas descobertas sobre o cérebro do mosquito podem aproximar os pesquisadores do combate a doenças perigosas e potencialmente letais transmitidas por esses insetos, como malária e febre amarela, que ainda afetam milhões de pessoas.

Essa possibilidade veio com a ação de uma equipe de pesquisa internacional, que identificou o mecanismo de como os mosquitos fêmeas escolhem suas vítimas usando o cheiro.

O grupo, que inclui pesquisadores da Universidade de Princeton e da Universidade Sueca de Ciências Agrícolas (SLU), revelou que uma área especial no cérebro do mosquito é ativada sempre que eles sentem o cheiro de humanos.

“Descobrimos como os mosquitos podem distinguir entre o cheiro de humanos e outros animais”, disse o pesquisador da SLU Rickard Ignell , à emissora local SVT.

Os mosquitos parecem ter preferências diferentes por humanos e animais, mas nunca foi entendido por que e como exatamente eles diferenciam os dois. Com a ajuda de amostras de odor de humanos e de diferentes espécies animais, tornou-se possível fornecer respostas para a pergunta.

A parte complicada, no entanto, era que o cheiro humano consiste em centenas de substâncias diferentes, e que as mesmas substâncias, embora em proporções ligeiramente diferentes, são encontradas na maioria dos aromas de mamíferos.

Além disso, nenhuma dessas substâncias é inerentemente atraente para os mosquitos. Então, o desafio era determinar a mistura exata de componentes que os mosquitos usam para reconhecer o odor humano.

No estudo, os pesquisadores coletaram amostras de odor de humanos e animais (incluindo cachorro, hamster, rato, ovelha e codorna) e analisaram como esses “perfis de odor” são compostos e diferem.

Eles também desenvolveram ferramentas que possibilitam visualizar padrões de atividade nas partes do cérebro do mosquito que processam os impulsos nervosos de todos os receptores de odor que a fêmea do mosquito tem em suas antenas.

“A parte do cérebro que é ativada quando estimulada com cheiro humano difere da parte que reage quando estimulada com cheiros de animais”, disse Ignell, pesquisador em ecologia química à SVT.

Enquanto algumas espécies de mosquitos são exigentes quanto ao sangue que sugam e podem fazer com que praticamente qualquer espécie de sangue quente seja agradável, alguns mosquitos desenvolveram um “sistema de navegação” incrivelmente preciso para se alimentar exclusivamente de sangue humano. Estes podem espalhar doenças perigosas e potencialmente fatais, como zika, dengue e febre amarela.

Os pesquisadores finalmente fizeram uma mistura de fragrância sintética projetada para ativar o mesmo padrão de atividade específico no cérebro do mosquito que o cheiro humano real.

As descobertas podem também formar a base para o desenvolvimento de novas misturas de fragrâncias a serem usadas para monitoramento e medidas de controle de mosquitos, ajudando assim a combater doenças.

Publicidade
Publicidade