Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

China vê dedo do Ocidente no caos de Honk Kong

Bartô Granja, Edição

A China pediu aos Estados Unidos que parem de se intrometer em Hong Kong, um dia depois de o presidente Donald Trump ter analisado os protestos em curso que continuam a abalar o centro financeiro asiático. O alerta também foi dirigido a Londres.

O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que Hong Kong, uma região semi-autônoma no sul da China, pertence exclusivamente ao domínio de seus assuntos internos. E pediu aos EUA que parem de “intrometer-se nos assuntos de Hong Kong”.

O ministério acusou os Estados Unidos de incitar o caos depois que alguns legisladores dos Estados Unidos, incluindo a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, eo líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, condenaram o que chamaram de uma violenta repressão aos manifestantes de Hong Kong.

“Os EUA negaram seu envolvimento nos incidentes violentos em andamento em Hong Kong em muitas ocasiões”, disse a porta-voz do ministério, Hua Chunying. “No entanto, os comentários desses membros do Congresso dos EUA forneceram ao mundo novas e poderosas evidências do envolvimento do país”.

Donald Trump disse que “não imagina por que” alguém culparia os EUA pela controvérsia de Hong Kong.

A China também pediu na semana passada que o Reino Unido pare de se “intrometer” e “instigar problemas”, depois que o ministro britânico das Relações Exteriores, Dominic Raab, telefonou para a presidente-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, para expressar preocupação com os protestos contra o governo que abalaram a cidade nos últimos anos. meses.

Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente