Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mulher

Christian Dior, Designer of Dreams, uma mostra

Foto/Divulgação
Glauco Junqueira

E aí, beleza?

Quem nunca sonhou em conhecer a fundo a história das grandes casas de moda e os detalhes por detrás de suas criações – e de curiosidades sobre seus criadores?

A exposição Christian Dior: Designer of Dreams (Christian Dior: Desenhista de Sonhos, em tradução livre), em exibição no Victoria & Albert Museum, em Londres, dá-nos a conhecer em profundidade o mundo de “sonhos” do criador da maison francesa, que se consolidou como uma das principais marcas de luxo mundiais. Ela traça a história e o impacto de um dos estilistas mais influentes do século XX – e dos seis diretores artísticos que o sucederam – para explorar a influência duradoura da casa de moda.

Dividida entre onze seções, a maior exposição de Christian Dior no Reino Unido teve sua abertura oficial em fevereiro deste ano; contudo, o sucesso foi tão grande, que os ingressos já estão esgotados até setembro. Inicialmente, a data prevista para o fim era 14 de julho.

Entre vestidos de alta costura, usados por personalidades como princesa Margaret, Margot Fonteyn e Jennifer Lawrence, estão expostos também desenhos de cunho pessoal do estilista, pertences pessoais, acessórios, inúmeras revistas, fotografias, filmes… e, claro, monsieur Dior está presente em toda a mostra.

Dos desenhos ousados de Yves Saint Laurent, ao estilo racional de Marc Bohan, à extravagância de Gianfranco Ferré, à exuberância de John Galliano, ao minimalismo de Raf Simons e à visão feminista de moda de Maria Grazia Chiuri, a exposição mostra como cada sucessor artístico manteve-se fiel à visão da alta costura de Dior, enquanto imprimia sua própria sensibilidade criativa para a marca.

Há um evidente fascínio do designer pela cultura britânica e é esse um dos vieses que a mostra explora. Dior admirava a grandiosidade das grandes casas e jardins da Grã-Bretanha, bem como os transatlânticos projetados pelos britânicos, inclusive o Queen Mary. Ele também tinha uma preferência por ternos da “Savile Row” – a famosa rua que ficou conhecida principalmente por sua tradicional alfaiataria, feita sob medida para homens.

Destaca-se ainda uma seção inteira dedicada a perfumes. Christian Dior sempre quis dar, a seus perfumes, frascos que refletissem sua qualidade excepcional. No cruzamento entre moda e joias, a Dior criou alguns frascos magníficos que são verdadeiras obras de arte. E essa herança, que é contínua até hoje, está muito bem representada com edições limitadas de luxo inigualável.

A contribuição de Dior na perfumaria é, sem dúvida, um legado considerável. Em 1949, Christian Dior combinou seus perfumes com a nobreza do cristal e do artesanato das oficinas de “Baccarat”. Os famosos trabalhos em vidro da região de Lorraine criaram a ânfora lendária da marca, um frasco de luxo para seus perfumes excepcionais, que também têm destaque na exposição. Afinal, o trabalho manual a serviço da beleza, exige um forte conhecimento de técnicas antigas e habilidades manuais centenárias.

Você, assim como eu, não sairá indiferente dessa exposição tão única – exposição que constitui uma contribuição inegável e indelével para a moda, para a beleza e para o modo de pensar, de homens e mulheres mundo afora.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente