Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Está no sangue

Ciência identifica gene que desperta irritação na internet

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

Um grupo de cientistas da Don Rostov-on-Don, da Rússia, identificou como grupos de genes e dependência de informações contextuais influenciam o comportamento do usuário na internet. O estudo mostra quais combinações de genes são comuns em usuários agressivos.

Os pesquisadores da DSTU constataram que os usuários mais ativos, que usam a Internet para compras e entretenimento, bem como aqueles que costumam ter conflitos, são menos vulneráveis ​​à influência do contexto da informação. Segundo os cientistas, isso ajudará os psicólogos a melhorar a prevenção e a terapia dos efeitos negativos da informatização da sociedade, informou o serviço de imprensa da universidade.

Os pesquisadores da DSTU descobriram que o comportamento online de uma pessoa é influenciado pelo genótipo e pelo nível de independência de campo, onde a independência de campo é a capacidade de um indivíduo de superar a influência do contexto da informação em sua psique.

“Descobrimos que pessoas com uma combinação de certos grupos de genes exibem comportamento tóxico online. Além disso, estabelecemos que usuários com altos níveis de independência de campo, agressividade e hostilidade preferem formas mais ativas de comportamento informacional”, disse Irina Abakumova, reitora da Faculdade “Psicologia, Pedagogia e Defectologia” e professor da Don.

Os pesquisadores usaram sua própria metodologia de psicodiagnóstico e os resultados da análise genética molecular para estudar as características do comportamento informacional. Eles examinaram os genes associados às características de formação de habilidades, regulação comportamental, reações emocionais (incluindo agressão e hostilidade) e o nível de gravidade do vício em Internet. Estes incluem os genes COMT e DRD2 que codificam enzimas do sistema dopaminérgico do cérebro, que controlam o estado psicofisiológico humano, bem como o gene BDNF que codifica fatores neurotróficos derivados do cérebro.

O gene agressor
Os pesquisadores estudaram várias estratégias de comportamento informacional e identificaram os principais componentes (RC1, RC2, RC3) que caracterizam a atividade online do usuário. As estratégias mais populares foram a “Busca de Informações na Internet” e a “Internet como força motivadora (exemplos de outras)”. Muitas vezes, o tipo de atividade principal não era uma estratégia única, mas uma combinação delas.

Os resultados mostraram que o componente RC1 combina indicadores em uma forma ativa e construtiva de comportamento informacional. Os entrevistados desse grupo preferem principalmente entretenimento ou conteúdo gerado pelo usuário e costumam usar o espaço online para fins pragmáticos, como fazer compras e buscar informações.

O componente RC2 pode ser caracterizado como ativamente disruptivo. Esses usuários exibem agressividade, sinais de nacionalismo e extremismo e preferência por conteúdo pornográfico. Eles se envolvem ativamente na discussão de tópicos “sensíveis” e provocam outros, explicaram os cientistas. Pesquisadores observaram neste grupo um efeito combinado dos genes BDNF:DRD2 (p = 0,024) e BDNF:COMT:DRD2 (p = 0,036).

O componente RC3 pode ser caracterizado como uma forma passiva condicionalmente construtiva de comportamento informacional, disseram os pesquisadores. Os respondentes com pontuações altas nessas escalas usam a Internet principalmente para fins pragmáticos, como fonte de informação, e tendem a consumir conteúdo em vez de produzi-lo.

Independência e Comportamento Informacional
Os resultados do estudo dos cientistas mostraram que os usuários que usam ativamente a Internet para fins recreativos, comunicativos e pragmáticos (RC1), bem como para perceber impulsos agressivos ou necessidades sexuais (RC3) têm taxas mais altas de hostilidade e demonstram uma independência de campo mais pronunciada são psicologicamente capazes de superar a influência da informação de contexto.

Os usuários com fortes componentes RC1 e RC3 compartilham um nível de atividade comum e a finalidade de recuperação de informações. Essa estratégia é igualmente pronunciada independentemente do foco da atividade do usuário ou da natureza dessa informação. De acordo com os autores do estudo, essas pessoas geralmente são melhores em navegar no ambiente de informações, além de exibir um comportamento mais ativo e confiante.

De acordo com os autores do estudo, os resultados fornecem uma compreensão mais profunda dos mecanismos psicológicos e biológicos por trás da formação de estratégias de comportamento de informação. As descobertas podem ajudar os psicólogos que tratam jovens com sinais de comportamento agressivo ou problemas no uso da Internet.

A Faculdade de Psicologia, Pedagogia e Defectologia da DSTU realiza pesquisas sobre fatores psicológicos e genéticos do comportamento informacional de jovens há mais de 5 anos. De acordo com pesquisadores da DSTU, trabalhos científicos semelhantes estudaram com mais frequência os fatores psicológicos e genéticos do comportamento informacional isoladamente ou apenas em conexão com o vício em Internet.

Publicidade
Publicidade