Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Cientista confirma que monstro do Lago Ness existe

Foto/Reprodução
Carolina Paiva, Edição

Mitos e lendas de monstros gigantes à espreita nas águas escuras do Lago Ness datam de mais de 15 séculos. Um número recorde de 11 avistamentos de Nessie foram relatados apenas em 2017.

Um importante estudo científico das profundezas do famoso Loch Ness revelou sensacionalmente que o monstro apelidado de Nessie “pode” ser real, escreve a Fox News, citando o professor Neil Gemmell, da Universidade de Otago, Nova Zelândia, e sua equipe, que realizou o projeto.

Os cientistas levaram o navio de pesquisa Deepscan através do lago coletando amostras de água de três profundidades diferentes para recuperar o DNA deixado por várias criaturas lá.

Amostras de sua pele, escamas, penas, peles e fezes foram posteriormente enviadas para laboratórios na Nova Zelândia, Austrália, Dinamarca e França para serem analisados.

A equipe do professor Neil Gemmell concluiu sua pesquisa, com o especialista em genômica, ecologia, população, conservação e biologia evolutiva admitindo que o resultado foi “surpreendente”.

Gemmell disse que eles testaram os dados contra a maioria das principais teorias que circulam sobre o monstro de Loch Ness, e enquanto os detalhes completos serão divulgados mais tarde, uma das teorias “pode” estar correta.

Existem duas teorias principais sobre o monstro: que é um plesiossauro de pescoço longo que milagrosamente sobreviveu à extinção dos dinossauros, ou é um esturjão ou um bagre gigante.

Prof Gemmell foi cauteloso sobre divulgar as conclusões completas do estudo, previsto para lançamento no próximo mês na Escócia, ou qual hipótese pode estar correta.

Quando pressionado por uma resposta, ele respondeu: “Há algo profundamente misterioso? Hmm. Depende do que você acredita. Existe alguma coisa surpreendente? Há algumas coisas que são um pouco surpreendentes ”.

“O que vamos conseguir é o que nos propusemos fazer, que é documentar a biodiversidade do Lago Ness em junho de 2018 com algum nível de detalhe.”

“Nós testamos cada uma das principais hipóteses dos monstros e três delas provavelmente podemos dizer que não estão certas e uma delas pode ser.”

Anunciando o projeto no ano passado, o professor Gemmell disse: “A Escócia é querida por meu coração porque minha mãe e sua família são escocesas, estou muito feliz por estar aqui para realizar nossa investigação de DNA ambiental do Loch Ness”.

De acordo com o Dr. Gemmell, a equipe de pesquisadores entrou nisso sem prender a respiração: “Estou pensando nisso, é improvável que exista um monstro, mas quero testar essa hipótese”, disse Gemmel antes do estudo.

“O que vamos conseguir é uma pesquisa muito boa sobre a biodiversidade do Lago Ness.”

Inicialmente, esperava-se que as descobertas do estudo fossem publicadas no início deste ano, mas tentativas fracassadas de filmar um documentário televisivo lançaram uma chave inglesa nas obras, enquanto conversas com uma série de companhias de produção terminavam sem um acordo.

As primeiras menções da criatura escocesa datam de Saint Columbia, que trouxe o cristianismo para a Escócia no século VI.

Estudiosos encontraram um punhado de relatos de Nessie desde 500 dC, mas a criatura não ganhou fama mundial até 1933. É comumente considerado como sendo grande em forma, com um longo pescoço e possuindo corcundas que se projetam para fora do Loch nas Highlands escocesas. .

Existem inúmeras teorias que explicam a misteriosa existência de Nessie, desde as sensacionais às anti-climáticas, que sugerem que as aparições não passavam de troncos.

No entanto, centenas de milhares de visitantes visitam o Lago Ness, na Escócia, todos os anos para tentar vislumbrar o monstro mítico.

Estima-se agora que o Nessie vale milhões de libras para a economia escocesa.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente