Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


De Paris para Brasília

Coletivo Instrumento de Ver estreia espetáculo circense

Publicado

Foto/Imagem:
Malu Oliveira, Edição/Via La Pauta Comunicação - Foto Divulgação

Diretamente do outro lado do oceano, o espetáculo circense “23 fragmentos desses últimos dias” desembarca no Teatro Galpão Hugo Rodas, em Brasília, para duas únicas apresentações: 15 e 16 de dezembro. A produção franco-brasileira nasceu, em 2019, da colaboração entre o coletivo brasiliense Instrumento de Ver e a companhia francesa Le Troisième Cirque. Em 2022, após uma temporada de criação e circulação europeia que contou com 26 apresentações em cidades da França, Suíça e Bélgica, o espetáculo que também esteve no Festival de Circo do Brasil, em Recife, volta à capital para grande estreia.

Para conferir esse belíssimo manejo de objetos não descartáveis, os candangos já podem garantir o ingresso, com desconto na compra antecipada, pela página do Sympla. A realização da produção conta com o apoio do Instituto Francês, da Ville de Paris, da Embaixada da França no Brasil e do Le Troisième Cirque.

Sobre a criação
Responsável pela circografia da obra, a francesa Maroussia Diaz-Verbèke propõe a dinâmica do espetáculo, desenhado na sua pesquisa original sobre a escritura do circo. No picadeiro estão as artistas Beatrice Martins, Julia Henning e Maíra Moraes, integrantes do Coletivo Instrumento de Ver, e convidados especiais, um trio brasileiro bem variado: o dançarino carioca André Oliveira, o frevista e contorcionista pernambucano Lucas Maciel e Marco Motta, circense baiano radicado na Espanha.

Em cena, os seis artistas trazem à luz questionamentos sobre o atual momento de destruição. Cercando-se de objetos tão frágeis como nós, convidam o público a procurar o botão do futuro e a encontrar o heroísmo em comemorar o crescente número de problemas, precursores de tantas soluções. “Ser otimista por teimosia, pois a mágica será a esperança”, diz a sinopse.

Por meio de performances e técnicas impressionantes como o equilibrismo, o faquirismo, o contorcionismo e a acrobacia e de danças de rua, como os brasileiríssimos passinho carioca e frevo, um novo mundo é criado, peça por peça, fragmento por fragmento.

Uma caldeirada de sons, ideias e objetos
De acordo com Beatrice Martins, a estreia do espetáculo na capital federal é um retorno ao seu lugar de origem. “A montagem começou em Brasília no início de 2019 e teve a criação interrompida por conta da pandemia.

Retomamos a sala de ensaio em 2021 e convidamos três novos artistas, o que mudou bastante o espetáculo que mostramos como uma pré-estreia aqui na cidade. Estamos ansiosas para mostrar ao público brasiliense o que fizemos por esse mundão afora!”

Segundo o coletivo, trata-se de um convite ao extraordinário. Os artistas vão correr, sambar, equilibrar, se misturar, bagunçar as emoções e colocar um monte de coisa junto no picadeiro. “Vamos fazer uma caldeirada, uma bagunça boa daquelas”, celebram.

Para completar essa mistura tão típica de nossas expressões culturais, a trilha sonora da obra, cuidadosamente pensada e criada para dar ritmo e contagiar a plateia, é composta apenas por músicas brasileiras. A playlist é resultado da curadoria cuidadosa dos pesquisadores Cícero Fraga, de Brasília, e do francês Loïc Diaz Ronda e celebra tanto a música brasileira contemporânea como os tradicionais forró e frevo.

Sobre o Coletivo Instrumento de Ver
O Coletivo Instrumento de Ver completou 20 anos em 2022, movimentando a cena artística brasiliense com muita originalidade e energia, alçando voos em terras além-mar e levando Brasília para a Europa em grande estilo.

Movimentado por Beatrice Martins, Julia Henning e Maíra Moraes, costumam se apresentar como acrobatas, técnicas, produtoras, realizadoras, criadoras, vendedoras de pipoca e circenses.

Tendo o processo de criação como fonte de inspiração, como caminho e como fim, o Coletivo apresenta ao público suas pesquisas originais nos mais variados formatos: espetáculos, textos, filmes, performances efêmeras, fotografias, dentre outros.

Serviço
“23 fragmentos desses últimos dias”
Coletivo Instrumento de Ver em parceira com Le Troisième Cirque
Datas: 15 e 16 de dezembro
Horário: 20h
Local: Teatro Galpão Hugo Rodas, 508 Sul
Classificação Indicativa: Livre
Ingressos: a partir de R$15 a meia-entrada, no Sympla (1º lote)

Publicidade
Publicidade