Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Delivery

Cresce demanda por comida entregue em casa

Publicado

Foto/Imagem:
Dora Andrade, Edição - Foto Reprodução

O delivery de comida se consolidou ao redor do mundo após ter um boom durante a pandemia de Covid-19. No Brasil, por exemplo, 28% das pessoas realizam um ou mais pedidos por semana. A preferência é por comida de origem ocidental (65%), sendo pizza a refeição favorita.

Os dados fazem parte do estudo Dining out’ at home!, realizado pela Kantar Consultoria. A empresa pesquisou hábitos de 10 países (Brasil, China, Coreia do Sul, Espanha, França, Indonésia, México, Portugal, Reino Unido e Tailândia), com entrevistas realizadas em junho de 2022 que contemplaram 15 mil pessoas, representando 30% da população global.

É válido destacar que, além do delivery, outras formas de refeições fora de casa estão ganhando espaço neste ano. No Brasil, 28% das pessoas já apostam na modalidade on premise (consumo no local) e 20% no modelo take away (pedidos retirados no balcão).

Outra novidade é que as refeições estão sendo substituídas por lanches rápidos. Prova disso é que, entre 2019 e 2022, o fast food apresentou alta de 7% entre os consumidores ao redor do mundo, além de crescer 1% em frequência e 25% em gastos. No Brasil, McDonald’s, Burger King, Subway, Pizza Hut e Bob’s são as redes favoritas.

Formas de atendimento
Os aplicativos agregadores de restaurantes são fundamentais para democratizar as entregas do dia a dia. Isso porque, além da variedade de opções, permitem uma série de filtros. 50% das pessoas ao redor do mundo, por exemplo, escolhem um local pela rapidez. Enquanto isso, 34% optam pelos melhores preços e 22% pela confiança no serviço.

O comportamento também muda de acordo com a plataforma. Consumidores dos aplicativos agregadores costumam pedir por descontos ou cupons (50%) e entregas sem taxa (45%). Já aqueles que realizam pedidos por telefone, geralmente, solicitam promoções 2-por-1 (35%) e agrados, como refrigerantes e sobremesas (25%).

Vale ressaltar que, no Brasil, o WhatsApp surgiu como novo método de pedidos durante a pandemia e segue forte ainda hoje. Tanto que 40% dos consumidores brasileiros já compraram por meio do app. O público é majoritariamente feminino (53%) e tem entre 18 e 29 anos (36,8%).

Publicidade
Publicidade