Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasília

Cresce onda de ‘encoxamento’ nos ônibus de Brasília



Dados da Secretaria de Segurança Pública divulgados pela Secretaria da Mulher apontam que o número de denúncias de ‘encoxamento’ nos ônibus de Brasília cresceu 33% em um ano no Distrito Federal. De acordo com o levantamento, foram registradas 20 ocorrências entre janeiro e abril de 2014. Entre as práticas mais comuns estão passar a mão ou se esfregar no corpo da vítima – as “encoxadas”.

Também foram denunciadas à polícia cantadas, simulação de masturbação e exibição de desenhos que retratem órgãos sexuais. Para a secretaria, o lançamento da campanha contra assédio no transporte público foi uma das razões para o aumento no índice. A iniciativa orienta as mulheres a ligarem para o 190 ou irem à delegacia sempre que se sentirem vítimas do abuso.

O levantamento também apontou que, em geral, os agressores usam camisas compridas e se sentam no fundo dos ônibus, com mochilas e pastas os tampando, para praticar o abuso.

Dados da Presidência da República apontam que o DF é a unidade da federação com maior número de denúncias de agressão contra mulheres no país. O último levantamento, com dados do primeiro semestre de 2013, aponta que o índice na capital federal foi de 673,53 casos a cada grupo de 100 mil habitantes.

No ano passado, o Tribunal de Justiça do DF recebeu mais de 14,8 mil inquéritos relativos à Lei Maria da Penha. A norma prevê a atuação do Estado na prevenção, punição e erradicação da violência doméstica e familiar contra a mulher.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2021 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente