Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Crise no Golfo faz preço do petróleo disparar

Bartô Granja, Edição

Os preços internacionais do petróleo registraram impulsos em meio ao aumento das tensões entre o Reino Unido e o Irã sobre a apreensão, na semana passada, de um navio-tanque britânico pelos iranianos. Os investidores esperam que o impasse possa aumentar, interrompendo o lado da oferta do mercado global de energia, já que cerca de 30% dos embarques de petróleo marítimo atravessam o epicentro das tensões no Estreito de Ormuz.

Além disso, a Líbia anunciou o fechamento de seu maior campo petrolífero em meio a contínuos combates entre as forças rebeldes e o governo apoiado pela ONU em Trípoli.

Ambos os fatores elevaram os preços do petróleo Brent em 1,6%, para US $ 63,45 / bbl, no início desta segunda-feira, em Londres. O petróleo bruto norte-americano subiu 0,8% durante a segunda-feira, para US $ 56,10 / bbl. Os ganhos vieram depois de um recuo significativo nos preços da energia na semana passada, o Brent caiu 6%, e o WTI perdeu 7% em meio à alta na produção de petróleo e uma redução gradual no excesso de transporte na América do Norte.

No entanto, os participantes do mercado dizem que os preços do petróleo podem subir muito mais devido à complexidade e ferocidade das tensões atuais no Oriente Médio. O petróleo só apresentou ganhos modestos, parcialmente compensados ​​pela expansão contínua das exportações dos EUA, uma diversificação nas rotas de abastecimento global, bem como melhorias na eficiência de combustível em todo o mundo e o uso crescente de outras fontes de energia.

“O que eu acho incrível é que o petróleo se tornou um barômetro quebrado para o conflito no Oriente Médio. Alguns anos atrás, você quase podia avaliar a gravidade da crise de segurança por causa do preço do petróleo”, disse Helima Croft, do Royal Bank of Canada.

Especialistas avaliam que a demanda global por petróleo está caindo, principalmente devido à desaceleração do crescimento econômico na China – um dos maiores importadores líquidos de energia do mundo – e na zona do euro.

Além disso, os EUA estão se tornando cada vez mais auto-suficientes em termos de energia, embora ainda importem vários milhões de barris por dia (B / D) e, ao mesmo tempo, transportem seu petróleo e gás para o exterior.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente