Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Protestos na Ilha

Discípulos de Goebbel tentam minar bases de Cuba

Publicado

Foto/Imagem:
Víctor M. Carriba/Via Pátria Latina

O implacável dilúvio de notícias falsas contra Cuba traz à mente uma das figuras mais sinistras da Alemanha nazista e seu mestre da propaganda: Joseph Goebbels.

‘Repita uma mentira com frequência suficiente e ela se tornará uma verdade’, é um dos ditados mais conhecidos do homem que elaborou as informações que fizeram de Adolf Hitler quase um semideus para seus concidadãos.

Um personagem que foi o principal responsável por uma guerra mundial que resultou na destruição de grande parte da Europa e na morte de mais de 50 milhões de pessoas, tanto militares como civis.

Repetir uma mentira mil vezes é uma fórmula clássica para fazer algo falso ser tomado como verdadeiro, disse Goebbels, de acordo com vários estudos sobre esta figura sinistra.

A mesma figura que disse que ‘toda propaganda deve ser popular, adaptando seu nível ao menos inteligente dos indivíduos aos quais é dirigida’.

Considerado o braço direito de Hitler, o chamado Ministro da Ilustração Pública e Propaganda elaborou um Decálogo sobre publicidade, cuja uma das recomendações era que ‘uma mentira que não pode ser refutada é melhor do que uma verdade implausível’.

Outros princípios básicos da propaganda nazista exigiam ‘cobrar dos próprios erros ou falhas do adversário, responder ao ataque com ataque’ e afirmavam que ‘se você não pode negar más notícias, invente outras notícias para distrair-se delas’.

Não é por acaso que a ofensiva contra Cuba ganhou força incomum após uma nova e quase unânime condenação nas Nações Unidas contra o bloqueio americano a ilha, o sucesso dos cientistas cubanos na criação de suas próprias vacinas para combater a Covid-19 e o reconhecimento internacional da ajuda médica cubana a outros países na luta contra a pandemia.

Na mesma linha, Goebbels enfatizou a necessidade de ‘ficar calado sobre assuntos sobre os quais não se tem argumentos e ocultar notícias que favoreçam o adversário’, isto ‘com a ajuda da mídia simpática’.

Sem dúvida, um esquema semelhante ao agora aplicado contra Cuba e que hoje se baseia no imenso alcance das redes sociais e sua manipulação, contas reais e falsas, os chamados influenciadores sediados no exterior e a grande imprensa de direita.

E tudo isso é apoiado por recursos financeiros substanciais baseados nos Estados Unidos, particularmente na cidade de Miami, e por uma variedade de personalidades com uma posição reconhecida contra Cuba, incluindo senadores, governadores, prefeitos e jornalistas sediados lá.

É um vendaval de eventos e imagens manipuladas antes e depois dos recentes distúrbios na ilha caribenha, amplamente divulgados no Facebook e no Twitter, como denunciado pelo presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, o governo e a maioria das organizações da sociedade civil cubana.

Uma ofensiva lançada em meio à pandemia Covid-19 e ao calor de 243 medidas restritivas decretadas pela anterior administração americana de Donald Trump e que o atual governo de Joe Biden está mantendo em pleno vigor.

Goebbels não tinha os recursos que as chamadas Tecnologias de Informação e Comunicação de hoje fornecem para a Segunda Guerra Mundial, mas suas ‘recomendações’ ainda têm um seguimento dedicado em um planeta profundamente diferente e contra um pequeno país de 12 milhões de pessoas que decidiram seguir seu próprio caminho.

Pare com as mentiras, a infâmia e o ódio, exigiu Díaz-Canel, insistindo que Cuba é profundamente alérgica ao ódio e denunciando ‘o bombardeio de imagens de violência, sangue, protestos, gritos, vandalismo, ameaças, assédio e repressão’ que não conhece quebras nos últimos dias.

Publicidade
Publicidade