Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


As origens

‘Discos voadores’ triplicam e deixam americanos em alerta

Publicado

Foto/Imagem:
Morgan Artyukhina/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Tem sido considerado dramático o aumento no número de avistamentos de ‘disco voadores’ por oficiais da Força Aérea e da Marinha dos Estados unidos. É o que afirma relatório divulgado pelo Pentágono. Somente no ano passado houve 247 novos relatórios de OVNIs e outros 119 de ”fenômenos aéreos não identificados”, ou seja objetos que não tiveram suas características definidas. Entre 2020 e 2021 foram anotados 144 casos.

O Escritório de Resolução de Anomalias de Todos os Domínios (AARO), criado pelo Departamento de Defesa em julho de 2022, foi designado para classificar os cerca de 366 relatórios recém-identificados usando um “processo analítico robusto” para fazer “caracterizações iniciais” de seus natureza.

De acordo com o relatório, a AARO caracterizou 26 relatórios como sendo de sistemas de aeronaves não tripuladas (UAS) ou entidades semelhantes a UAS; 163 foram caracterizados como balões ou entidades semelhantes a balões; e seis foram atribuídos à desordem.

“A caracterização inicial não significa positivamente resolvida ou não identificada”, observa o relatório. “Essa caracterização inicial permite que AARO e ODNI aproveitem os recursos de maneira eficiente e eficaz contra os 171 relatórios UAP não caracterizados e não atribuídos restantes.

“Alguns desses UAP não caracterizados parecem ter demonstrado características de voo incomuns ou capacidades de desempenho e requerem uma análise mais aprofundada”, observou o ODNI.

“A maioria dos novos relatórios de UAP se origina de aviadores e operadores da Marinha e da Força Aérea dos EUA que testemunharam UAP durante o curso de suas funções operacionais e relataram os eventos à UAPTF [Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados, predecessora da AARO] ou AARO por meio de canais oficiais.

“Independentemente do método de coleta ou relatório, muitos relatórios carecem de dados detalhados suficientes para permitir a atribuição de UAP com alta certeza.

Em uma declaração na quinta-feira, 12, o senador norte-americano Mark Warner, que preside o Comitê de Inteligência do Senado, saudou a publicação do relatório, chamando-o de “um passo à frente na compreensão e abordagem dos riscos para os aviadores”.

“No geral, estou encorajado a ver um aumento nos relatórios de UAP – um sinal de diminuição do estigma entre os pilotos que estão cientes da ameaça potencial que os UAPs podem representar”, acrescentou.

O relatório do ODNI agora é exigido anualmente pela Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA), o enorme projeto de lei de gastos que financia o Pentágono todos os anos.

Os militares dos EUA há muito se interessam por avistamentos de OVNIs, lançando vários programas para coletar informações, começando com o Projeto Blue Book de 1952 a 1969. Esse projeto rendeu a conclusão de que os OVNIs não eram naves extraterrestres, mas fenômenos explicáveis , incluindo estrelas, meteoros, fenômenos climáticos e aeronaves experimentais. Mais tarde, o Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (AATIP) rastreou relatórios semelhantes antes de ser encerrado em 2012.

Em 2017, o Pentágono confirmou a existência da UAPTF, apesar do fechamento público da AATIP anos antes, e depois, os legisladores começaram a solicitar a divulgação de imagens coletadas pelo programa, que também começaram a vazar na imprensa. Em 2021, o Congresso exigiu que o ODNI começasse a emitir um relatório anual sobre avistamentos de OVNIs e os perigos potenciais que eles poderiam incluir para instalações militares e navios de guerra dos EUA e, em maio de 2022, o Senado realizou uma audiência sobre os fenômenos.

Publicidade
Publicidade