Novas sanções ao Irã

‘Donald Trump brinca com fogo’ adverte chancelaria russa

Foto/Arquivo Notibras
Bartô Granja, Edição

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou neste sábado, 3, que, ao impor novas sanções ao Irã, os Estados Unidos desferiram um golpe significativo no Tratado de Não-Proliferação (TNP).

“A nova onda de sanções anti-Irã anunciada por Washington visa minar os esforços consistentes dos participantes do JCPOA para preservar este acordo sobre o programa nuclear iraniano. Os Estados Unidos estão infligindo ainda outro golpe poderoso para o Tratado sobre o Não Proliferação de Armas Nucleares, que, como dizem hipocritamente, precisam ser fortalecidas, enquanto de fato levam o assunto ao colapso ”, disse.

O ministério também enfatizou que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirmou a conformidade do Irã com o acordo, o que prova a natureza pacífica de seu programa nuclear.

“A JCPOA justifica-se plenamente. Ela provou ser eficaz. A AIEA [International Atomic Energy Agency] confirma regularmente que o Irã cumpre rigorosamente suas obrigações. Apoiamos os esforços consistentes e profissionais da agência nessa direção. As medidas de verificação e controle no Plano de Ação são aplicados na íntegra. Isso por si só é uma evidência confiável da natureza pacífica do programa nuclear iraniano “.

A declaração publicada no site do ministério continua: “Faremos tudo o que for necessário para preservar e expandir a cooperação econômica e financeira internacional com o Irã, apesar das sanções dos Estados Unidos. As novas ações destrutivas dos Estados Unidos são fortemente condenadas. ”

O Ministério das Relações Exteriores afirmou ainda que rejeitou quaisquer sanções unilaterais, ignorando as decisões do Conselho de Segurança da ONU, que afetam os interesses de países terceiros, como no caso dos Estados Unidos e do Irã.

“Se Washington, como declara, está realmente interessado em negociações com Teerã, então a política de pressão de sanções para reduzir o potencial econômico e de defesa do Irã, bem como para enfraquecer a situação política interna, deve ser imediatamente revisada. Muitos anos de experiência mostram que será impossível alcançar concessões do Irã usando métodos de pressão ”, continuou o comunicado.

Os comentários vêm antes da introdução da nova rodada de sanções contra o Irã nos EUA sobre o setor petrolífero do país, que entrará em vigor em 5 de novembro.
Em 8 de maio, o presidente Donald Trump anunciou que estava retirando os EUA do JCPOA, comumente conhecido como acordo nuclear com o Irã, e prometeu restabelecer as sanções, suspensas sob o acordo, bem como introduzir novas restrições.

O acordo histórico foi assinado após anos de trabalho diplomático em 2015 em Viena pelo Irã e o grupo de países P5 + 1, que incluiu China, França, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha, e previu o alívio gradual das sanções a República Islâmica em troca de Teerã manter a natureza pacífica de seu programa nuclear.

COMPARTILHE