Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Embaixador chinês vacina o infectado Guedes

Altamiro Borges/Via Pátria Latina

Sem citar o nome de Paulo Guedes, já infectado pelo vírus bolsonarista da imbecilidade, o embaixador chinês no Brasil respondeu às suas fake news preconceituosas. Um dia antes, o ministro da Economia havia dito que “o chinês inventou o vírus” e que a vacina asiática é ineficaz. Como dando um recado sobre os riscos do futuro, Yang Wanming retrucou:

“Até o momento, a China é o principal fornecedor das vacinas e dos insumos ao Brasil, que respondem por 95% do total recebido pelo Brasil e são suficientes para cobrir 60% dos grupos prioritários na fase emergencial. A Coronavac representa 84% das vacinas aplicadas no Brasil”, postou educadamente em sua conta no Twitter.

A China também é o maior parceiro comercial do Brasil – “até o momento”. A mensagem do diplomata deve ter abalado os barões do agronegócio – que lucram com as exportações ao país asiático, mas ainda apoiam o ministro ultraneoliberal da Economia. Até Miriam Leitão, que sempre apoiou o rentista na Globo, parece que desistiu do trapalhão.

Chocada com a bravata do seu ex-queridinho, ela tuitou: “O chefe da Casa Civil admite que tomou vacina escondido, o ministro da Economia diz que a China inventou o vírus e critica o aumento da expectativa de vida. Que gente é essa?”. É a turma que a famosa jornalista e a poderosa Rede Globo ajudaram a levar ao Palácio do Planalto!

Em tempo: diante da repercussão negativa da sua declaração e temendo ser ceifado do governo, o abutre Paulo Guedes já recuou. Em nota, o incompetente e bravateiro ministro afirmou que usou uma “imagem infeliz” ao falar que o “chinês inventou o vírus” e que a vacina da China é menos efetiva do que a dos EUA. Patético, ele disse que inclusive foi vacinado com a Coronavac, produzida pela indústria chinesa em parceria com o Butantan. “Então eu não vou falar mal da vacina”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2021 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente