Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Fatores de risco

Equilíbrio por 10 segundos prevê quanto tempo se tem de vida

Publicado

Foto/Imagem:
Sangeeta Yadav/Via Sputnik News - Foto divulgação

Ao contrário da aptidão aeróbica, flexibilidade e força muscular, a arte do equilíbrio corporal é uma ótima maneira de determinar e medir a aptidão física e o risco de desenvolver problemas de saúde. Equilibrar-se em um pé mesmo por alguns segundos não pode apenas prever a longevidade; também pode ser uma maneira valiosa de determinar o risco de queda de alguém.

Um estudo recente de um grupo de pesquisadores do Brasil descobriu que pessoas que não conseguem ficar em um pé por dez segundos têm quase duas vezes mais chances de morrer nos próximos 10 anos, de acordo com um texto publicado no British Journal of Sports Medicine.

O autor do estudo, Claudio Gil Soares de Araújo, diretor de pesquisa e educação da Clínica de Medicina do Exercício-Clinimex, opina que o equilíbrio deficiente e a aptidão musculoesquelética podem estar relacionados à fragilidade em idosos.

“As pessoas idosas que caem correm um risco muito alto de fraturas graves e outras complicações relacionadas. Isso pode ter um papel no maior risco de mortalidade”, disse Araújo.

Tendo pesquisado a conexão entre capacidade de movimento e longevidade no passado, Araújo e seus colegas reexaminaram dados do estudo de 1994, que avaliou associações entre aptidão física, fatores de risco cardiovascular e o risco de desenvolver problemas de saúde e morrer.

Durante a pesquisa, 1.702 participantes com idades entre 51 e 75 anos, que podiam andar com firmeza em sua análise, passaram por várias rodadas de exames, desde a avaliação de seu peso, tamanho da cintura e medidas de gordura corporal até ficar em pé em uma perna por 10 segundos sem segurar qualquer coisa. Os pesquisadores descobriram que o risco de morte em 10 anos foi 1,84 vezes maior entre os participantes que falharam no teste de equilíbrio.

Além disso, aqueles que falharam no teste tendiam a ter uma saúde pior do que aqueles que passaram, com uma proporção maior de obesidade, doenças cardiovasculares e níveis de colesterol no sangue não saudáveis. O diabetes tipo 2 foi três vezes mais comum entre as pessoas que falharam no teste do que aquelas que passaram. No entanto, Araújo disse: “Nunca é tarde para melhorar o equilíbrio com treinos específicos. Alguns minutos por dia – em casa ou na academia podem ajudar muito.”

Estudos como este fornecem uma base científica para decidir sobre os tipos de medidas que ajudarão a avaliar o desempenho físico de uma pessoa, disse o médico John W. Rowe, professor de política de saúde e envelhecimento da Escola Mailman de Saúde Pública da Universidade de Columbia.

Publicidade
Publicidade