Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Vulcão submarino

Erupção do Hunga Tonga ainda trará muitas dores de cabeça

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

O principal autor de um estudo sobre a erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha’apai argumenta que os dados que eles conseguiram coletar “aprimorarão nossa compreensão de nossa atmosfera e nos ajudarão a melhorar nossos modelos climáticos e ambientais”.

O estudo sugere que a erupção vulcânica explosiva que abalou o Pacífico Sul em janeiro foi tão poderosa que as ondas de gravidade atmosférica que produziu atingiram as camadas mais altas da atmosfera da Terra.

O vulcão submarino Hunga Tonga-Hunga Ha’apai entrou em erupção em 15 de janeiro, produzindo uma nuvem de cinzas que subiu cerca de 50 quilômetros acima da superfície e causou ondas de gravidade atmosférica que atingiram 100 quilômetros na ionosfera, observa o SciTechDaily.

O estudo, publicado na revista Nature e liderado por pesquisadores da Universidade de Bath, sugere que a erupção foi única, já que “ondas de gravidade em alturas sub-ionosféricas não foram observadas se propagando anteriormente” na velocidade observada neste caso.

“Esta foi uma explosão genuinamente enorme e verdadeiramente única em termos do que foi observado pela ciência até hoje”, disse Corwin Wright, pesquisador da Royal Society University baseado no Centro de Ciências Espaciais, Atmosféricas e Oceânicas da Universidade de Bath e principal autor do estudo.

“Nós nunca vimos ondas atmosféricas dando voltas ao redor do mundo antes, ou a essa velocidade – elas estavam viajando muito perto do limite teórico”, pontuou.

Ele descreveu a erupção como “um experimento natural incrível”, observando que os dados que eles conseguiram coletar “aprimorarão nossa compreensão de nossa atmosfera e nos ajudarão a melhorar nossos modelos climáticos”.

Scott Osprey, do Centro Nacional de Ciências Atmosféricas, coautor do estudo, também disse que seu trabalho “mostra muito bem como a impressionante exibição de ondas globais é impulsionada pelas enormes quantidades de água do mar vaporizadas durante a erupção”.

“No entanto, meu pressentimento é que há mais por vir dessa erupção”, observou ele. “À medida que a quantidade excepcional de vapor de água se espalha pela estratosfera, os olhos se voltarão para o buraco de ozônio da Antártida e quão severo será na primavera.”

Publicidade
Publicidade