Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Escola católica proíbe livros do bruxinho Potter

Bartô Granja, Edição

O reverendo Dan Reehil, de uma escola paroquial católica, revelou que os livros com histórias do ‘bruxinho’ inglês Harry Potter não estão mais disponíveis para os alunos por causa de seu conteúdo.

“Esses livros apresentam a magia como bem e mal, o que não é verdade, mas de fato é um engano inteligente. As maldições e feitiços usados ​​nos livros são maldições e feitiços reais; que quando lidos por um ser humano correm o risco de conjurar espíritos malignos na presença da pessoa que lê o texto “, afirmou em um e-mail, explicando a mudança.

Segundo o padre, antes de remover os best-sellers da autora inglesa Joanne Rowling sobre a escola de magia e seus alunos da biblioteca, ele procurou vários exorcistas para pedir conselhos, que o incentivaram a agir.

A superintendente de escolas da diocese católica de Nashville, Rebecca Hammel, disse que o reverendo enviou seu e-mail em resposta a uma pergunta de um dos pais e notificou a faculdade.

Ela ressaltou que não há posição oficial sobre esses livros na Igreja Católica e que é o responsável pela escola que deve decidir.

“Cada pastor tem autoridade canônica para tomar tais decisões em sua escola paroquial. Ele está bem dentro de sua autoridade para agir dessa maneira”, explicou.

Esta não é a primeira vez que as aventuras de Harry Potter provocam uma reação dos fiéis. No início deste ano, um grupo católico polonês que se autodenomina “SMS from Heaven Foundation”, publicou fotos de seus padres queimando livros considerados sacrílegos, incluindo as parcelas da série de fantasia que narra a vida ficcional de um jovem bruxo que estuda na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, enquanto luta contra o bruxo das trevas Lord Voldemort.

Na Bulgária e na Grécia, a Igreja Ortodoxa fez campanha pela proibição dos livros. Escolas nos Emirados Árabes Unidos proibiram o primeiro romance da série, A Pedra Filosofal, há 17 anos, argumentando que era contrário aos valores islâmicos.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente