Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

‘Esquerda e mídia conspiram contra Jair Bolsonaro’

Major-brigadeiro Jaime Sanchez

Pesquisei diretamente no site do jornal Liberation, de extrema esquerda da França, o artigo que divulga uma suposta petição elaborada por personalidades estrangeiras e brasileiras ao governo francês, com o título “A França deve rejeitar o Acordo de Livre Comércio UE-Mercosul” e o seguinte teor: de 27 a 30 de julho, o Ministro das Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, viaja ao Brasil para reuniões com autoridades e empresas….O Brasil é de longe o parceiro comercial mais importante da França na América Latina, com um total de negócios de 7,5 bilhões de euros, 900 empresas francesas estabelecidas e grandes perspectivas de expansão.

Diz a carta que Emmanuel Macron parece ter esquecido um detalhe que não tem valor comercial: os danos irreversíveis causados ​​ao meio ambiente por esse tratado. Afirma que Macron, em novembro de 2018, no G20 em Buenos Aires, logo após a eleição de Jair Bolsonaro, disse que condicionaria a assinatura do acordo para manter o Brasil no acordo de Paris, enquanto Bolsonaro anunciava em sua campanha eleitoral que queria sair. As palavras de Emmanuel Macron não teriam sentido se as trocas entre a França e o Brasil se multiplicarem.

Diz, também, esperar que Le Drian tenha reservado uma visita à floresta amazônica, onde o desmatamento aumentou 88% desde 2018; às tribos de povos indígenas ameaçados pelas milícias do agronegócio; e aos túmulos das centenas de defensores ambientais que foram assassinados nos últimos anos.

Afirma que a entrada em vigor do acordo ampliará a destruição do meio ambiente e as mortes resultantes das ações do agronegócio.

Assegura que mesmo que o Brasil permaneça no acordo, poderá continuar com suas atividades criminosas que destroem o meio ambiente e as pessoas que dedicam suas vidas para protegê-lo.

Segundo peticionários, cumprir os princípios do Acordo de Paris requer determinação política e compromisso inabalável com a luta contra o aquecimento global. Isso é notoriamente ausente no governo de Jair Bolsonaro.

Finalizam. Lamentamos profundamente que o Presidente Macron, que fervorosamente afirma ser o líder mundial na proteção do meio ambiente, se recuse a ver essas evidências.

Por isso, pedimos à França que rejeite o acordo de livre comércio entre a UE e o Mercosul e condicione o comércio entre nossos dois países à adoção de normas muito restritivas no campo da proteção ambiental e dos trabalhadores brasileiros.

Signatários Brasileiros: Guilherme Boulos, representante nacional do Movimento de Trabalhadores Sem Telhados e ex-candidato (PSOL) nas eleições presidenciais; Glauber Braga, Parlamentar do PSOL, membro suplente da Comissão de Relações Internacionais e Defesa Nacional; Humberto Costa , senador do PT e líder do Grupo no Senado; Vagner Freitas , Presidente da Central do Trabalhador do Brasil (CUT); Gleisi Hoffmann, deputado e presidente do PT; David Miranda membro do Comitê de Relações Internacionais e Defesa Nacional; Taliria Petrone , PSOL; Paulo Pimenta , deputado do PT e líder do grupo na Câmara dos Deputados; Ivan Valente líder do PSOL na Câmara dos Deputados; Sindicato Estadual dos Petroleiros do Rio de Janeiro.

Como militar, tendo ocupado os cargos de Vice-Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica e de Chefe do Departamento de Assuntos Internacionais do Ministério da Defesa, registro a minha plena convicção de que os setores de Inteligência do Ministério da Defesa e das Forças Armadas, assim como o Gabinete de Segurança Institucional e a Agência Brasileira de Inteligência estão permanentemente debruçados sobre todos esses atos, antipatrióticos e desesperados, que vêm sendo praticados por aqueles que perderam suas propinas e financiamentos paternalistas com o dinheiro público, analisando e alimentando adequadamente o Comandante Supremo para as ações que se fizerem necessárias no momento oportuno.

Na qualidade de militar reformado, uso meu direito de expressão e a minha já incontida indignação ao ver claramente que grande parte dos poderes constituídos e da mídia marrom conspira, diariamente, para o fracasso do governo e a desgraça do Brasil, a ponto de apelarem, por escrito, a um governo estrangeiro de esquerda, para atuar contra o desenvolvimento e a soberania da nossa Pátria; abomino, igualmente, parte da cúpula do judiciário que insiste em criar artifícios mirabolantes, contestados por grande parte do próprio judiciário e por juristas de renome, para libertar bandidos aos borbotões, enquanto o legislativo aprova furtivamente, na calada da noite, através votação secreta uma lei para manter a impunidade reinante e nela acrescenta, ladinamente, artigos ridículos como a proibição do uso de algemas e outros com redação inexata, tudo para tentar atrair o presidente a vetos superficiais e a preservação do que lhes interessa.

Enquanto isso, nos divertimos em manifestações domingueiras inúteis, que jamais serão valorizadas por seus alvos, que já perderam a vergonha de serem achincalhados em público ou carimbados como prováveis ladrões pelo Ministério Público, mesmo sabendo alguns que realmente o são.

É claro que o fato de essa carta ter sido publicada pelo jornal francês, não significa que tenha sido realmente escrita ou enviada ao presidente Macron. Isso certamente estará sendo investigado pelos órgãos competentes e questionado junto à Embaixada da França.
Deveriam, também, ser objeto de Investigação pelo Congresso Nacional, por falta de decoro, caso seus Presidentes não fossem coniventes com o projeto de boicote ao governo.

Confirmada a veracidade da carta, mesmo não tendo chegado ao seu destino, existem dispositivos legais para enquadrar esses traidores.

Art. 2º da Lei no 1802, Código Penal: Tentar submeter o território da Nação, ou parte dele, à soberania de Estado estrangeiro;

Art. 1º da Lei nº 7.170/83, Lei de Segurança Nacional: Esta Lei prevê os crimes que lesam ou expõem a perigo de lesão: I – a integridade territorial e a soberania nacional; e Il – o regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito; e

Art. 55, inciso II, da Constituição Federal: Perderá o mandato o Deputado ou Senador: II – cujo procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar.

Em determinado momento, o Presidente Bolsonaro afirmou que estavam querendo transformá-lo em rainha da Inglaterra. Seria o ideal, pois assim poderia adotar medida igual à que a Rainha Elizabeth aprovou recentemente, só que perdurando pelo tempo suficiente para a limpeza do País.

Em tempo: Senhor Macron, foram doados por cidadãos do mundo, inclusive brasileiros, 3,8 bilhões de reais para o senhor reconstruir uma parte da Catedral de Norte Dame. Agora, Vossa Excelência vem com uma esmola de 90 milhões de reais doados pelos 7 países mais ricos do mundo para salvar a Amazônia? Tenha a santa paciência! Enfia esse dinheiro no cofre do FMI.

Brasil acime de tudo, Deus acima de todos.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente