Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Estados Unidos advertem China. ‘Mar é de todos’

Bartô Granja, Edição

O Mar Meridional da China, que Pequim como sempre viu como sendo suas águas territoriais, corre o risco de ser palco de batalha naval envolvendo americanos e chineses. Foi o que advertiu neste domingo, 4, o recém-nomeado secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper. O assessor de Donald Trump afirmou que seu país ‘não tolerará as atividades de Pequim’ na região.

Os atos da China, disse Esper, são “desestabilizadoras” e “agressivas”. Ele acrescentou que os Estados Unidos não vão “ficar de braços cruzados”, enquanto uma nação tenta “remodelar” a região a seu favor. “Acreditamos firmemente que nenhuma nação pode ou deve dominar o Indo-Pacífico e estamos trabalhando ao lado de nossos aliados e parceiros para atender às urgentes necessidades de segurança da região”, frisou.

Esper ainda criticou a política regional de Pequim de fornecer ajuda financeira e empréstimos a estados asiáticos, em consonância com os governos anteriores de Washington, segundo os quais eles são usados ​​pela China para controlar governos endividados. “[A China] está revendo o patrimônio global usando economia predatória e acordos de dívida por soberania, e promovendo o roubo pela propriedade intelectual de outras nações”, afirmou o secretário de Defesa.

As declarações foram feitas em Sidney, na Austrália. O governo australiano, por sua vez, ofereceu a alocação de cerca de US$ 2 bilhões em doações e empréstimos baratos em uma tentativa de combater essa suposta política chinesa. Anteriormente, o secretário de Estado Mike Pompeo havia assegurado que os países asiáticos não terão que escolher um dos lados em um conflito entre os EUA e a China, mas pediu que busquem cooperação com os EUA e seus aliados.

“A cooperação conosco e nossos amigos australianos traz benefícios mútuos, e não zeros, negócios em que um lado ganha e outro arrisca perder”, disse ele.

Há muito tempo, Washington critica a China pelo desdobramento de forças militares em ilhas , incluindo as construídas pelo homem no disputado Mar do Sul da China, argumentando que essas ações desestabilizam a região. Numa tentativa de contrariar a China, os EUA enviam regularmente os seus navios de guerra para o mar sob o pretexto de operações de Liberdade de Navegação.

Pequim insiste que todas as instalações militares nas águas disputadas são puramente defensivas. O Estado asiático tem repetidamente criticado as “provocações” dos EUA na forma de embarcações militares enviadas para navegar no Mar da China Meridional, perto de estruturas militares chinesas.

Além da disputa pelo Mar da China Meridional, as relações de Pequim e Washington foram deixadas de lado por uma guerra comercial, que teve outra reviravolta nesta semana, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou novas tarifas de 10% sobre produtos chineses. A guerra comercial foi iniciada por Washington em 2018, depois que Trump acusou Pequim de abusar das preferências comerciais com os EUA e exigiu a assinatura de um novo acordo comercial.

Washington anunciou sua iniciativa de ampliar a presença marítima em águas internacionais logo depois que o Irã deteve um petroleiro britânico por supostas violações marítimas no Estreito de Hormuz em julho e em vista dos recentes ataques contra seis petroleiros no Golfo, que os EUA acusaram sem fundamento o Irã de idealizar.

A Casa Branca convidou vários estados europeus e asiáticos para a planejada coalizão marítima, mas alguns, como a Alemanha , já disseram que não estão interessados. Este fato não incomodou Mike Pompeo, que disse que ele está “muito confiante” de que a coalizão será criada .

O Irã afirmou que a prisão do petroleiro britânico por mais investigações após as violações alegadas da embarcação era totalmente legal. Teerã também condenou duramente as tentativas dos EUA de transferir a culpa no Irã por conduzir ataques de “bandeira falsa” contra navios-tanque e pediu à comunidade internacional que garanta a segurança do transporte marítimo na região.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente