Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mentes atormentadas

Estudo sobre sonho pode evitar pesadelos bizarros

Publicado

Foto/Imagem:
Svetiana Ekimenko/Via Sputniknews - Foto Divulgação

Os sonhos – as imagens que nossas mentes geram enquanto dormimos – sempre foram um mistério para os cientistas que investigam como e por que esses fenômenos às vezes perturbadores e até assustadores ocorrem. Algumas teorias sugerem que os sonhos representam nossos desejos inconscientes, enquanto outras os descartam como apenas parte do ciclo do sono.

Mas agora, para alguém cujos sonhos tendem a se transformar em pesadelos atormentadores, pode haver esperança de aliviá-los, afirmam os cientistas.

Um conjunto de estudos conseguiu vincular vários fatores a uma maior probabilidade de ter sonhos “assustadores”, dando esperança de que possa haver uma maneira de evitá-los.

O estudo dos sonhos, aquelas histórias e imagens bizarras e muitas vezes maiores que a vida que invadem nosso sono, é complexo, com diversas teorias sugerindo como e por que os experimentamos. Cada pessoa experimenta pelo menos três a seis sonhos que duram cerca de 5 a 20 minutos por noite, de acordo com os cientistas. Mas os assustadores, os pesadelos, atormentam alguns mais do que outros.

Os pesquisadores estão divididos sobre se os sonhos são uma maneira de liberar o subconsciente do cérebro, ‘desempacotar’ emoções ou traumas mentais, ou não são mais do que parte do ciclo do sono.

Mas o que definitivamente foi determinado é que os pesadelos ocorrem com mais frequência durante o sono de movimento rápido dos olhos (REM).

Este último estágio das cinco fases do sono em um ciclo é quando a respiração se torna mais rápida e superficial, os olhos se movem rapidamente em várias direções, a frequência cardíaca aumenta e a pressão arterial aumenta. É quando as pessoas acordam durante o sono REM – representando 20 a 25 por cento do tempo total de sono – que muitas vezes descrevem sonhos bizarros.

É durante esse período que gatilhos específicos, como estresse, ansiedade, trauma, privação do sono, uso de medicamentos específicos, uso indevido de drogas e overdose de livros e filmes assustadores, podem afetar profundamente o sono, de acordo com a Clínica Mayo , do Estado unido.

Os pesquisadores da Universidade de Harvard concordam, dizendo que existem maneiras específicas de lidar com o “transtorno de pesadelo”.

“Primeiro, a causa do estresse, se houver, deve ser determinada. Se um estressor for identificado, maneiras eficazes de gerenciá-lo devem ser encontradas”, explicaram os pesquisadores do Harvard Mahoney Neuroscience Institute.

“Para pesadelos induzidos por medicamentos, as dosagens podem precisar ser alteradas ou diferentes drogas administradas”, acrescentaram. Quanto aos indivíduos que sofrem de pesadelos pós-traumáticos ou crônicos, a equipe sugeriu que eles pudessem procurar terapia psicológica.

Publicidade
Publicidade