Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Fronteira perigosa

EUA implantarão um sistema de mísseis Patriot na Eslováquia

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

Embora a Otan tenha dito que não se envolverá militarmente na Ucrânia, inclusive recusando-se a estabelecer uma zona de exclusão aérea, ela se apressou em inundar o país com armas, incluindo armas portáteis e sistemas de armas maiores. Alguns ex-aliados soviéticos também consideraram enviar seus equipamentos de fabricação soviética para uso da Ucrânia.

Esse clima de beligerância tem sido alimentado pelo secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin. Ele disse nesta sexta-feira que os EUA posicionarão um sistema de defesa aérea MIM-104 Patriot na Eslováquia, um aliado da Otan na Europa Central.

“O Comando Europeu dos EUA reposicionará um sistema de mísseis Patriot, tripulado por membros do serviço americano, para a Eslováquia”, disse Austin em comunicado. “Esperamos que esta bateria e sua tripulação cheguem nos próximos dias. Sua duração de implantação ainda não foi fixada, pois continuamos a consultar o governo eslovaco sobre soluções de defesa aérea mais permanentes”.

A notícia vem depois que o primeiro-ministro eslovaco, Eduard Heger, dizer que o país havia dado seu sistema de defesa aérea S-300 de fabricação russa (nome da Otan S-10 Grumble) para a Ucrânia. Os dois países compartilham uma fronteira de 50 milhas nas montanhas dos Cárpatos. Em uma declaração o presidente dos EUA, Joe Biden, agradeceu a Bratislava pela decisão, observando que os EUA estavam enviando o sistema Patriot “para permitir essa transferência e garantir a segurança contínua da Eslováquia”.

No mês passado, a Alemanha e a Holanda também enviaram três baterias de mísseis Patriot para a Eslováquia, e os EUA também posicionaram duas baterias adicionais no leste da Polônia. Os sistemas farão parte de um novo grupo de batalha da Otan que está sendo formado na Eslováquia, que é um dos quatro novos grupos anunciados pela aliança no mês passado. A Otan já tem quatro grupos de batalha na Polônia e nos Estados Bálticos como parte de uma implantação de Presença Avançada Aprimorada. Os novos grupos de batalha estão sendo enviados para a Eslováquia, Romênia, Bulgária e Hungria.

O general da Força Aérea dos EUA, Tod Wolters, o Comandante Supremo Aliado da Europa (SACEUR) e o segundo general mais graduado da Otan, disse a um painel do Senado na semana passada que os EUA têm 102.000 soldados na Europa, quase o dobro do número no início do ano.

O aumento maciço ocorreu depois que a Rússia lançou uma operação especial na Ucrânia em 24 de fevereiro com o objetivo de neutralizar as forças armadas do país e tornar o país incapaz de servir como base da Otan para atacar a Rússia. A Ucrânia não é um aliado da Otan, mas recebeu extensas armas e treinamento desde o golpe apoiado pelos EUA em 2014 e acrescentou à sua constituição que ingressar na aliança é um objetivo do governo. Moscou disse que a expansão da Otan mais para o leste é uma linha vermelha.

O poderoso sistema de mísseis antiaéreos Patriot é capaz de derrubar drones, aeronaves, mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos em um raio de 160 quilômetros. No entanto, é improvável que seja capaz de engajar armas hipersônicas. Cada lançador montado em caminhão opera em conjunto com até quatro outros lançadores e comunicações, comando e controle e estações de radar. Eles também podem se conectar com outros sistemas de defesa aérea , como o sistema Terminal High-Altitude Area Defense (THAAD).

Além dos numerosos sistemas Patriot, os EUA também construíram uma base de mísseis Aegis Ashore em Deveselu, na Romênia, e uma segunda base em Radzikowo, na Polônia , está em fase de conclusão. Construído ostensivamente para defender a Europa contra mísseis balísticos iranianos, a Rússia há muito alerta que o sistema Aegis pode ser usado para lançar mísseis ofensivos em território russo e que também pode derrubar mísseis russos.

O Tratado de Mísseis Antibalísticos (ABM) uma vez proibiu tais instalações porque elas criam o perigo de um primeiro ataque nuclear, se um lado acredita que pode derrubar todos os mísseis do oponente que eles disparariam em retaliação. No entanto, os EUA se retiraram unilateralmente desse tratado em 2002.

Publicidade
Publicidade