Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Violência gratuita

Extremismo político devolve nossa sociedade à pré-história

Publicado

Foto/Imagem:
Wenceslau Araújo - Foto de Arquivo

Sou um patriota ufanista, daqueles que verdadeiramente amam seu país. No entanto, estou muito distante dos chauvinistas, conhecidos pelo patriotismo exagerado, agressivo e fanático sem exagero. Ultrapassado, esse ufanismo nacionalista ou euforia em excesso grassa em nossos dias como uma doença contagiosa. É um preciosismo que beira o fundamentalismo, denominação da corrente que prega obediência rigorosa e literal a um conjunto de princípios. Desgraçadamente, no Brasil e em boa parte do mundo esse conceito está instalado na economia, na política, na educação e em outras instâncias da vida humana.

Na Terra Brasilis, sua utilização vai além do bom senso, pois tem servido para justificar atitudes religiosas e políticas contra grupos antagônicos. Formalmente definido em 1920 pelo pastor americano Curtis Lee Laws, contrário ao segmento protestante liberal de fins do século XIX, o termo tem características bem simples: todos temos de acreditar nos dogmas como verdade absoluta, indiscutível. Não existe a premissa do diálogo ou do debate. Como se grupos financiados e armados estivessem dispostos a recuperar territórios perdidos, os ares vividos hoje são puramente de batalha. É uma absurda reação à teologia do modernismo.

O fato é que, no Brasil, as antigas brigas teológicas migraram para a ideologia e, com rapidez de uma eleição, chegaram à política partidária. A adesão a esse tipo de crença normalmente incita a intolerância, que, invariavelmente, é seguida de práticas violentas. Infelizmente, nossos extremos não conseguem diferenciar a defesa de doutrinas e dogmas religiosos e políticos de ações deliberadamente voltadas para a violência gratuita. O resultado é tão cristalino como nosso céu, hoje encharcado de brigadeiros, generais, almirantes, cabos e soldados.

Sem exageros, nos devolveram veladamente à pré-história, isto é, a uma sociedade pré-moderna. Ao que parece, ou nos acostumamos ou teremos de ajustar contas com um certo fanatizador. Estamos bem próximos do que viveram os Estados Unidos com a Ku Klux Klan e a Irlanda do Norte com o grupo terrorista IRA. Com caráter de seita, a KKK misturava ideologia raciais e eugenistas (crença na possibilidade de melhorar a qualidade genética da população) com protestantismo puritano. O IRA, cuja luta era alimentada exclusivamente por um discurso político misturado com o viés religioso, tinha por objetivo a separação da Irlanda do Reino Unidos.

Como alento e, sobretudo, como indicativo para nossos fundamentalistas, os absurdos sonhados pela KKK e pelo IRA não prosperaram: naufragaram em mares serenos e sérios. Assim seja. Assim será. Imagino que tenha viajado na maionese nesses primeiros parágrafos. Na verdade, tenho certeza. Todavia, a sinuosa divagação teve por objetivo reduzir a adrenalina dos meus três últimos dias de expectativa com o debate entre Emanuel Macron e Marine Le Pen, ambos candidatos à Presidência da França, ele representante da esquerda e ela líder da extrema-direita francesa. Confesso que, tomando o Brasil como exemplo, temi pela vida de um ou de outro. Ficaram só na troca de acusações.

Feliz com o que vi e ouvi, percebi que, nos países sérios, os adversários não são necessariamente inimigos. Melhor de tudo foi a certeza de que há vida além da política. Uma pena, mas, como na terra descoberta por Cabral faz tempo que um candidato foge dos debates, talvez nunca saibamos o que um presidenciável teria a dizer ou cobrar do outro. Claro que me refiro aos postulantes com chances de vitória. Dizer o que, já que nada sabem ou nada querem saber; cobrar o que, já que os desvios de conduta de um são tão grandes ou maiores do que os do outro? No fim e ao cabo, melhor não sabermos, pois correríamos o risco da obrigação de descarregar todos os votos possíveis no macaco Tião. Pelo menos não teríamos do que reclamar. Na atual quadra, melhor sorrir do que chorar mais quatro anos.

Publicidade
Publicidade