Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

FMI começa a enxergar luz no fim do túnel

Bartô Granja, Edição

Um ano após o início da pandemia provocada pelo novo coronavírus, o Fundo Monetário Internacional mostra um otimismo cauteloso. De acordo com as estimativas publicadas nesta terça-feira, 26, o crescimento mundial deve chegar a 5,5% em 2021, um aumento de 0,3 ponto percentual em relação à última projeção de outubro de 2020. Já a contração do PIB global deve ser limitada a 3,5% em 2020, graças a uma recuperação melhor do que o esperado na última metade do ano.

O FMI mostrou-se bem mais pessimista em outubro, já que a entidade apostava em uma queda de 4,4%. No entanto, o desempenho da zona euro, China, Índia, Japão, Estados Unidos e até Turquia superou as expectativas, graças à retoma do consumo e ao “ ajustamento ao teletrabalho” a partir do terceiro trimestre.

Três razões principais explicam esse otimismo renovado. Em primeiro lugar, o início das campanhas de vacinação, a partir de dezembro de 2020 em alguns países, sugere o retorno à atividade normal. Em segundo lugar, o FMI acredita que “ a economia parece ter se adaptado, ao longo do tempo, ao declínio das atividades que requerem interações físicas. Por fim, vários países ricos, como Estados Unidos e Japão, não diminuíram o tamanho de seus déficits e continuaram, no final de 2020, a apoiar sua economia.

“ Em alguns casos, as transferências de dinheiro para as famílias impulsionaram os gastos do consumidor ”, observa a instituição, que está preocupada com o aumento das falências assim que os planos de apoio terminarem. Segundo cálculos do FMI, o índice de falências caiu em treze países ricos, apesar da crise, desde o início da pandemia.

O FMI continua cauteloso em suas projeções, ao não descartar uma possível mutação do vírus, uma desaceleração das campanhas de vacinação ou austeridade orçamentária prematura em alguns países, o que retardaria a recuperação. “A comunidade internacional também deve trabalhar em estreita colaboração para melhorar o acesso às vacinas para todos os países”, enfatiza o organismo financeiro internacional.

De acordo com um estudo da Câmara de Comércio Internacional, a escassez de vacinas nos países pobres pode custar à economia mundial até US $ 9,2 trilhões (cerca de 60 trilhões de reais), quase a metade para os países ricos . “O nacionalismo de vacinas pode servir a objetivos políticos de curto prazo, mas é do interesse econômico de médio e longo prazo de cada nação apoiar a equidade da vacina “, lembrou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor do Fundo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente