Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mulher

‘Foi um passo atrás, para avançar com mais dois’

Gabriela Marçal

“Tiveram que dar um passo para trás para continuar mais forte ano que vem.” Foi com essa frase que a modelo brasileira Lais Ribeiro confirmou o cancelamento do desfile anual da Victoria’s Secret.

Lais desfila para marca de lingerie há nove anos e também faz parte do time fixo de supermodelos chamadas de angels. A piauiense contou que Ed Razek, na época diretor de marketing da Victoria’s Secret, comunicou pessoalmente às modelos sobre o cancelamento do desfile deste ano. “É um assunto muito delicado. Nós todos somos muito unidos, todas as meninas e o pessoal do show também. Mas se for pra melhorar é melhor do que botar a cara tapa de novo e as pessoas criticarem de novo”, afirmou a brasileira.

A saída de Ed Razek foi anunciada no início deste mês, quatro dias após se tornar pública a contratação da primeira modelo trans pela Victoria’s Secret. No ano passado, o executivo disse em uma entrevista à Vogue, que a grife de lingerie não deveria lançar modelos transexuais ou plus size em seu desfile de moda “porque o show é uma fantasia”. Mais tarde, o diretor pediu desculpas por suas observações “insensíveis”.

Lais contou ser muito próxima de Ed Razek e falou com carinho sobre o executivo. “Ele tem 71 anos e deu a vida pela Victoria’s Secret, ele que criou as grandes modelos, ele que cria o show. Os tempos mudam e a cabeça dele é um pouco mais voltada para a marca e ele viu que isso não estava ajudando. Ele mesmo quis sair para deixar a marca ter o seu caminho.”

A primeira modelo transgênero contratada pela a marca é a também brasileira Valentina Sampaio, que é agenciada pela Joy Model. Lais Ribeiro, que trabalha para a mesma agência, ficou feliz com essa notícia. “Eu tenho mania de empurrar pessoas que eu gosto. Não só para a Victoria’s Secret, mas para as pessoas que eu sou próxima. Eu sempre falei: ela é uma mulher linda maravilhosa, é capaz e está aqui para abrir portas e quebrar barreiras, porque a bandeira que ela carrega tem um peso muito forte para outras meninas.”

Lais também viu a contratação como um marco positivo para a grife de lingerie. “Fiquei feliz também por saber que a marca está evoluindo, está abrindo espaço para a diversidade.”

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente