Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Generais vão calar banda podre que ataca Bolsonaro

Ka Ferriche

Há um empenho desmedido de determinadas áreas do poder público para estabelecer um franco e perigoso confronto, explícito atualmente na Esplanada dos Ministérios. De um lado, os que roubaram impiedosamente o Brasil e, de outro, aqueles que juraram interromper o ciclo de uma quadrilha que só não alcançou as Forças Armadas. A conferir.

Causa espanto o caráter, ou a falta dele, impregnado na cultura dominadora executiva (hoje menos), legislativa (hoje menos) e judiciária (hoje mais). As funções do Supremo Tribunal Federal perderam limites, alcançam matérias muito além daquelas de hesitosos casos constitucionais, seu papel exclusivo.

Há uma permanente provocação e desconstrução dos poderes que precisa ser analisada. A impressão que fica é a de quem governa o país é o STF, não o presidente legitimamente eleito, ainda que o tribunal contrarie interesses promíscuos de boa parte de seus opositores. Bolsonaro é doido? Intempestivo? Boquirroto? E daí? Lula da Silva era tudo isso e carrega ainda a chaga de bebum e ladrão analfabeto. É presidiário.

O que é pior? O Brasil não escolheu Bolsonaro, mas alguém que fosse doido, intempestivo e boquirroto para estancar essa quadrilha que, indiretamente, matou milhões de brasileiros nas portas de hospitais, quando bilhões de dólares dos brasileiros eram doados para ditaduras em todo o mundo. E pagava o seu charuto cubano e o whisky escocês do marginal José Dirceu. Além de alguns artistas preguiçosos.

É simples a questão: existem aqueles que idolatram os criminosos e aqueles que desejam apenas um governo que não veio para pilhar as vidas brasileiras. É só escolher de que lado cada um pretende lutar. Qualquer movimento para atingir o governo Bolsonaro, inclusive ferindo a Constituição, é produzido pela banda podre. Isso precisa ficar claro para a maioria da população que empenhou seu voto no capitão. É importante também que possíveis futuros candidatos à presidência entendam isso.

Bolsonaro é a única chance de corrigir minimamente a desgraça produzida pelo Partido dos Trabalhadores. Um paradoxo. Terão que torcer para que ele faça um excelente governo e a necessária assepsia nos próximos 3 anos e meio. Nenhum civil vai suportar essa artilharia a menos que prometa fazer uma “releitura” da era Lula e se adaptar aos comandos do Congresso Nacional e aos subterrâneos do Judiciário. Mas a população será destruída.

Os inimigos instalados nos poderes da República perderam o fair play. Determinaram que o material produzido por um hacker subversivo, antipatriótico, acintoso, Glenn Greenwald, que deveria ter sido expulso do país há muito tempo, segundo juristas sérios, seja preservado. Mais: o STF determina o CEP do criminoso Lula de acordo com suas conveniências políticas, afrontando a instância competente que determinou sua transferência para Tremembé. Um deboche.

Agora surge uma denúncia sobre Itaipu Binacional que historicamente vem patrocinando ministros do STF. O mesmo que manda interromper investigações do Coaf sobre a movimentação do inimigo nacional Glenn, que ganha proteção impatriótica do Judiciário.

As Forças Armadas, diante dessa afronta, analisa até onde vai o desafio de ministros que escaparam da meritocracia e ganharam de presente as cadeiras que ocupam no mais alto poder. Por outro lado, há discretos sinais de que os congressistas começam a entender que o Brasil não pode ser orientado apenas por cabeças que admiram um zelador de bosta de elefante ser bilionário.

Bolsonaro deve, sim, nomear o zero um, seu filho Eduardo, como embaixador em Washington.

Guerra é guerra, essa é a opinião daqueles que hoje não suportam mais as decisões inconstitucionais do STF. Observadores afirmam que as decisões são tentativas de precipitação de provocar os militares para a instalação de um Supremo Tribunal Militar. Aí, segundo analistas de plantão, o atual STF seria a janela para uma revolução.

É bom o Brasil entender que é melhor que o filho do presidente seja o embaixador nos EUA, antes que o STF vá de mudança para o Palácio do Planalto. O assunto é muito sério e envolve armas. Nenhum grupo, independente de onde esteja instalado, legítima ou ilegitimamente, possa alvoraçar-se em um confronto armado. Não há outra conclusão para os desafios impostos pelo STF.

Ao lado de Bolsonaro estão o Exército, a Marinha e a Aeronáutica. Além de milhões de brasileiros, muitos já armados. Do lado de quem descumpre a Constituição, segundo analistas preocupados (são fontes protegidas pelo segredo de imprensa), o Tribunal defende bandidos descaradamente, e quem são seus soldados? Traficantes e líderes ditadores, ambos internacionais. Aliciaram negros e LGBTs, estes inocentemente convencidos, pode ser.

Pelo teor da defesa e do empenho em legitimar a manobra, negar novo CEP pro Lula, a qualquer custo, deixar Glenn cagar no povo brasileiro, permitir que Dilma seja elegível, o confronto tem tudo para um desfecho muito desfavorável aos magistrados não concursados.

Quem acha que Bolsonaro é intempestivo, há quem reconheça que é um cidadão com a paciência de um monge. Ele disse, reservadamente segundo fonte, que tudo é pernicioso que vem do STF.

A provocação continua, o sonho é de que as FFAA cerquem o Palácio da Justiça. O último suspiro de sobrevivência, embora marginal, mas justificada se os acontecimentos continuem assim, do reprovado Dias Tofolli em todos os concursos que fez na vida, poderá pesar em seu desfavor. A inteligência do país ainda tenta entender para onde ele irá em caso de impedimento do STF, por ingerência indevida. A turma de Bolsonaro afirma que o mapa da permanência dele no STF já está em mãos.

Já tivemos impeachment de presidente, governador, senador, mas Tofolli, segundo entendidos, vai inaugurar a fila de impedidos magistrados malcriados. Ou obedientes, depende do cardápio. A inquietação é grande. Olavo de Carvalho provavelmente diria que os generais são frouxos. Tem muito brasileiro achando isso. Mas as coisas não funcionam assim.

Generais são cartesianos. Sabem muito bem a malandragem que está acontecendo. Tofolli e a sua turma comunista está com os dias contados. Ele só é presidente do STF por uma mera concessão de Bolsonaro. Não parece, mas é. Chiii… quem concordar faz barulho na web!!!

Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente