Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Correndo atrás

Governo cria plano de ação para combater a pólio

Publicado

Foto/Imagem:
Carolina Caraballo/Via Agência Brasília - Foto Paulo Carvalho

A rede pública de saúde do Distrito Federal já tem seus próprios planos de mitigação e contenção da poliomielite. O documento que pauta as ações de combate ao vírus e a coleta de dados para a prevenção da doença foi apresentado nesta segunda-feira (24), em evento realizado no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). A intensificação da imunização é o principal pilar da proposta.

A criação dos planos foi uma exigência do ministro da Saúde feita a todos os estados, diante do alto risco de reinserção da pólio no Brasil. Ainda que o DF não tenha detectado nenhum caso desde 1987, a região tem grandes chances de presenciar a volta da doença causadora da paralisia infantil. A possibilidade de reintrodução está na casa dos 80% – o objetivo é reduzir a probabilidade para cerca de 20%.

O plano de mitigação reforça o papel da imunização como principal aliado no combate à pólio. A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite de 2022 teve início em 8 de agosto. O término, inicialmente previsto para 9 de setembro, precisou ser prorrogado duas vezes por conta da baixa cobertura vacinal: primeiro para 30 de setembro e, depois, para 28 de outubro.

Até o momento, o DF aplicou 81.110 doses da vacina oral, o que representa 50,6% das crianças de 1 a 5 anos incompletos. A meta de vacinar um mínimo de 95% da população alvo não é alcançada desde 2017. “A baixa cobertura deve ser encarada como um problema grave a ser combatido”, observa a secretária de Saúde, Lucilene Florêncio. “O Brasil é um exemplo para o mundo na vacinação. Não podemos perder essa vanguarda.”

O imunizante está disponível em todas as regiões de saúde do DF. São 118 salas de vacinação – os locais que podem ser consultados no site da Secretaria de Saúde. “É factível batermos a meta de vacinação no DF, temos toda a estrutura necessária para isso”, garante Lucilene. “Mas precisamos do comprometimento de todos para que a população se vacine.”

Busca ativa dos faltosos, interação com líderes comunitários e visitas às escolas estão entre as ações que devem alavancar os índices de imunização. De acordo com a responsável técnica da vigilância da poliomielite da Secretaria de Saúde, Joana Castro, o plano de mitigação também prevê a realização de um diagnóstico situacional das salas de vacinação. “Vamos garantir que o imunizante siga ao alcance de toda a comunidade”, conta.

Caso o plano de mitigação não surta o resultado esperado, o plano de contenção entra em ação. “O documento apresenta estratégias para contenção de surto”, explica Joana. “A poliomielite é transmissível. Então, se identificarmos alguma vítima, precisaremos tomar algumas medidas para evitar que a doença se alastre.”

Representante do governo federal, o médico epidemiologista Gerson Fernando Pereira reforçou o compromisso do Ministério da Saúde de apoiar todas as unidades federativas no combate à pólio. “Passados pouco mais de 30 anos desde o último caso da doença no Brasil, a população parece ter esquecido que ela existe”, lamenta Gerson, que é diretor do Departamento de Doenças Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis.

Além da divulgação dos planos de mitigação e contenção, o evento também premiou a região central de saúde pelos esforços no combate à pólio. A área engloba Asa Sul, Asa Norte, Lago Sul, Lago Norte, Varjão, Vila Planalto e Cruzeiro.

Publicidade
Publicidade