Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


França e Alemanha armaram, tudo

Guerra na Ucrânia foi preparada com anos de antecedência

Publicado

Foto/Imagem:
Wyatt Reed/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Um membro influente do Conselho da Federação da Rússia escreveu que os ex-líderes da UE, ao admitirem que nunca tiveram a intenção de honrar os acordos de Minsk, significa que eles têm o sangue de milhares de vítimas da guerra civil de Donbass em suas mãos.

Konstantin Kosachev, um importante legislador russo disse que as recentes admissões da ex-chanceler alemã Angela Merkel e do ex-presidente francês François Hollande, de que não tinham intenção de honrar seus compromissos sob os acordos de Minsk, representam uma “formalização da traição…”.

Hollande reconheceu que os acordos internacionais para os quais a França atuou como fiador eram pouco mais do que uma manobra para ganhar tempo para o regime ucraniano aumentar suas capacidades militares com armas e treinamento da OTAN.

“Desde 2014, a Ucrânia fortaleceu sua postura militar… É um mérito dos Acordos de Minsk ter dado ao Exército ucraniano essa oportunidade”, disse o ex-presidente francês a uma agência ucraniana.

Seus comentários ecoaram uma confissão semelhante de Merkel, que admitiu no início de dezembro que Minsk era apenas “uma tentativa de ganhar tempo para a Ucrânia” e que “a Ucrânia usou esse tempo para se fortalecer”.

Vice-presidente do Conselho da Federação Russa e presidente de longa data do Comitê de Relações Exteriores da Duma, Konstantin Kosachev condenou duramente a duplicidade ocidental no Telegram.

No que parece ser a primeira denúncia pública dos comentários de Hollande e Merkel por um alto funcionário russo, o influente legislador escreveu que “o sudeste da então Ucrânia foi inicialmente traído pelo Ocidente… O preço dessa traição foi milhares de vidas humanas nos últimos oito anos da guerra civil na Ucrânia – que inicialmente não foi interrompida pelo Ocidente, que transformou os acordos de Minsk em papel de rascunho – mas que a Rússia agora é forçada a parar com sua operação militar especial”, observou Kosachev.

“Para o Ocidente, a integridade territorial da Ucrânia tem tudo a ver com o controle da terra”, continuou ele. “É sobre território, não pessoas.” “Trata-se de violência, não de negociações” – uma atitude que, segundo ele, “contradiz diretamente os chamados valores europeus”.

No final das contas, Kosachev explicou, “nosso país acabou sendo o único co-autor dos acordos de Minsk… que consistente e honestamente tentou agir como seu fiador. Foi a Rússia, ao contrário da Ucrânia, Alemanha e França, que neste caso esteve do lado do povo.”

Publicidade
Publicidade