Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Cultura

Hanna produz vídeos quíntuplos em plena pandemia

Carolina Paiva, Edição

Dona de façanhas incríveis em suas quatro décadas de carreira – desde sua gravação, em 1981, da trilha sonora do filme “Xavana a ilha do amor”, de Zigmunt Sulistrowski, no qual também atuou como atriz; tendo emplacado música, pela Som Livre, na novela Partido Alto (TV Globo), para a personagem de Christiane Torloni (1984); até sua participação no Programa do Jô (1999), à conquista do título de Embaixadora de Turismo do Rio de Janeiro (2019), e à proeza de conseguir das mãos do próprio João Gilberto autorizações exclusivas para regravar seus clássicos “Ho ba la la” e “Bim Bom” – a inquieta Hanna não cruzou os braços durante a pandemia.

Com o setor de eventos estagnado e artistas se desdobrando para realizar lives e promover lançamentos online, a cantora de Maceió, radicada no Rio, não se contentou em lançar apenas um videoclipe, e sim SEIS, quase que simultaneamente, todos disponíveis no YouTube desde janeiro e com produção/direção de Rafael Ferreto.

O feito, por si só, não causa maior surpresa e perplexidade se considerarmos ainda um outro motivo: um dos vídeos, “Vestidinho de Festa”, é sua gravação para uma música composta e escrita por Gonzaguinha exclusivamente para a cantora, um ano antes de falecer, em 1991. Desconhecida até então, a música foi gravada por Hanna somente dez anos depois, em 2001, no CD “Nós em Nós”, lançado pela Ipanema Records, porém com pouca projeção na imprensa. A música de Gonzaguinha permaneceu desconhecida, inclusive, para os herdeiros dos direitos autorais do compositor, que só tomaram conhecimento de sua existência neste ano, em fevereiro, quando o álbum se tornou disponível nas plataformas digitais.

“Eu morava em Paris mas vinha ao Brasil de vez em quando…em uma dessas vindas, me encontrei com Gonzaguinha, pedi uma música e, por acaso, dei meu telefone. De surpresa, recebi sua ligação dizendo que estava pronta!”, relembra a cantora. “Eu não tinha como gravar na época também porque havia uma crise nas gravadoras, então guardei a música, continuei em Paris, fazendo meus shows. Quando voltei pra cá, em 1999, gravei sozinha, em estúdio, com os arranjos do Mario Bastos…a Ipanema Records se interessou, buscou todas as autorizações e decidiu lançar, mas não divulguei. Acabei guardando o CD comigo e somente agora estou colocando nas plataformas digitais”, explica.

O vídeo “Vestidinho de Festa”, lançado no último dia 6 de março, se junta a uma fornalha que vem vindo à tona desde o início do ano. Do seu último CD “O Amor é Bossa Nova – vol.2”, lançado em 2019 e dedicado a João Gilberto, a cantora aprontou outros cinco videoclipes: “Menino do Rio”, lançado no dia 8 de março, e quatro lançados em janeiro e fevereiro (“Pra quê discutir com a Madame”, “Ligia” e “Retrato em Branco e Preto”). Seu último videoclipe lançado, a canção “Triste”, também do seu último CD, foi lançado no dia 30 de março.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2021 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente