Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Dinamarca

Igrejas começam a cancelar cultos por falta de energia

Publicado

Foto/Imagem:
Igor Kusnetov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Apesar de ser aclamada como o garoto-propaganda da energia verde na Europa, a Dinamarca viu um salto anual de cinco vezes nos preços da energia no início deste ano e foi forçada a agir de acordo, incluindo a redução do aquecimento em prédios públicos em todo o país e pedindo aos dinamarqueses que diminuíssem o calor em suas casas.

Agora as igrejas em toda a Dinamarca foram forçadas a cancelar os cultos por causa da atual crise de energia. Na Diocese de Lolland-Falster, todas as 108 igrejas receberam permissão para mover ou cancelar serviços para economizar energia, e muitas já fizeram uso desse arranjo, especialmente no campo escassamente povoado.
“Custa muito dinheiro aquecer uma velha igreja medieval com eletricidade”, disse a bispa Marianne Gaarden à mídia dinamarquesa.

Decisões semelhantes foram tomadas nas dioceses de Aarhus e Viborg, cada uma das quais compreende centenas de igrejas, embora as autoridades da igreja tenham prometido que o transporte será providenciado para os fiéis que descobrirem que precisam viajar mais para chegar a uma igreja que ainda está funcionando.

“É muito incomum, mas também estamos em uma situação incomum. Em vários lugares, o orçamento disponível já foi utilizado”, disse o bispo diocesano de Viborg, Henrik Stubkjaer.

Oficiais da Igreja enfatizaram que a decisão de cancelar os cultos é um sinal de solidariedade com os dinamarqueses comuns, muitos dos quais já estão economizando energia. No entanto, especialistas alertaram sobre os riscos associados a igrejas sem aquecimento. A Dinamarca tem cerca de 1.700 igrejas com 500 anos ou mais. Embora os prédios em si não precisem de calor, o equipamento dentro deles precisa.

“Existem acessórios de madeira, órgãos, tecidos e hinários de papel, que são itens que normalmente não se dão bem com alta umidade. E quando não tem calor, fica úmido. O risco imediato é o mofo, com o qual já tivemos problemas”, disse Poul Klenz Larsen, consultor de aquecimento, energia e clima da Igreja da Dinamarca, à mídia dinamarquesa, chamando-o de “problema de saúde e ambiente de trabalho”.

Problemas semelhantes já foram relatados na Suécia, onde dezenas de igrejas, especialmente no interior, foram temporariamente fechadas devido à incapacidade de fornecer aquecimento adequado.

A Dinamarca é muitas vezes aclamada como o garoto-propaganda da energia verde, onde as energias renováveis, como a energia eólica, representam quase metade do consumo total de energia. No entanto, em meio à crise que envolveu a Europa como resultado da decisão frustrada de Bruxelas de introduzir sanções contra a Rússia cortando as importações de energia em uma tentativa desajeitada de “puni-la” por sua operação especial na Ucrânia, a Dinamarca testemunhou em agosto um aumento de cinco vezes nos preços da energia ano a ano e tomou medidas como o corte de aquecimento em prédios públicos em todo o país.

Os dinamarqueses foram incentivados a economizar energia por meio de medidas como diminuir o aquecimento, limitar o uso de água quente e desligar a iluminação e os aparelhos desnecessários.

Publicidade
Publicidade