Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Índia e Paquistão voltam a trocar tiros na fronteira

Foto/Sputniknews
Bartô Granja, Edição

As forças de patrulha da fronteira da Índia e do Paquistão trocaram fogo pesado e bombardeio ao longo da fronteira perto do setor de Rajouri, no estado indiano de Jammu e Caxemira.

De acordo com as autoridades locais, um disparo pesado de artilharia foi iniciado pelas forças paquistanesas por volta das 23h30, hora local, na noite de segunda-feira, que continuou até a manhã de terça-feira.

“O morteiro pesado e a metralhadora pesada foram disparados em toda a Linha de Controle (LoC) de Doongi Keri a Lam no setor de Rajouri. No entanto, não há relatos de qualquer perda de vida a partir de agora”, disse uma fonte.

As trocas de artilharia transfronteiriças entre os dois vizinhos nucleares não param desde meados de fevereiro, quando um ataque terrorista executado por Jaish-e-Mohammed, baseado no Paquistão, matou 40 soldados indianos em Pulwama, Jammu e Caxemira.

Pelo menos cinco funcionários do Exército indiano foram mortos em disparos na fronteira e uma operação contra o terrorismo desde 18 de março na zona da Caxemira. A disparada transfronteiriça atingiu um crescendo no setor de Sunderbani na semana passada.

O Paquistão teria desarmado drones armados e sistemas de defesa antimísseis chineses perto da fronteira com a Índia nos últimos dias para manter um registro dos movimentos da Força Aérea Indiana (IAF) e do Exército Indiano.

A IAF realizou um ataque aéreo preventivo não-militar contra a infra-estrutura terrorista em Balakot, no Paquistão, em 26 de fevereiro, após o ataque de Pulwama. No dia seguinte, o Paquistão derrubou um caça indiano no primeiro confronto aéreo entre as duas nações com armas nucleares nas últimas cinco décadas.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente