Curta nossa página


Invasão de ursos ameaça consumir a verde flora de Brasília

Publicado

Autor/Imagem:


É surpreendente como o reino animal inspira o humano. A classificação que define os ursídeos pode ser aplicada ao cotidiano urbano onde residem políticos e outros seres não classificados. O Brasil tem o hábito de expulsar a fauna do seu habitat natural, muitas vezes por conveniências inexplicáveis.

Dizem que os ursos habitam todos os continentes, inclusive o africano. Embora naquela área do planeta nunca tenham sido vistos, outra espécie de urso certamente pode ser encontrada ali.

Ursos são conhecidos por tentar roubar o picknik – expressão própria à prática antiga – e de degustar o alheio. Só não há registro de ursos degustarem comida oriental, embora os pandas estejam classificados nessa categoria. Walt Disney foi o mestre em humanizar espécimes, mas não deu muita importância aos que brotam na América do Sul, exceto o Zé Carioca.

A foto emblemática de Rodrigo Rollemberg e Celina Leão abraçados com um determinado cidadão percorreu as redes sociais. Biólogos, antropólogos e juristas de plantão estão examinando a imagem.

O habitat atual do indivíduo registrado pelas câmeras em um restaurante japonês já foi visitado por um elenco de políticos e empresários. Ele veio de uma região de florestas onde foi submetido a maus tratos, privado da liberdade da mata, mas foi salvo a tempo de transferir seu ninho para o Lago Sul, em Brasília.

No seu novo e confinado reduto pratica o principal hábito da espécie: abraçar tratadores.

Mas algumas coisas intrigam a ciência e estão sem respostas: quem patrocina o atual cativeiro e suas aventuras pelo reino humano? O que faziam Rollemberg e Celina Leão em um encontro descontraído e aparentemente feliz com ele? De onde surgem as inúmeras adesões aos seus projetos de dominar a floresta?

As colmeias andam de orelha em pé. As abelhas reunidas, caso sejam molestadas depois de atraídas, podem promover um ataque fulminante e deter o gigante.

O problema é que as abelhas são meramente operárias e a rainha tem paradeiro desconhecido. Por enquanto. Quando forem descobertos os tutores da proeza, aí não haverá sobreviventes políticos. E o poder de abraçar pode ser um instinto revelado na sua forma original, rasgando com as garras seus pares sem piedade.

Pela primeira vez Notibras pede aos leitores e colaboradores dicas que possam levar à identificação do personagem central da foto, se possível com o seu histórico, para que ambientalistas possam tomar as devidas providências, uma vez que não foi rastreado nenhum chip no cidadão.

Max de Quental

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.