Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Irã recusa mais sanções e sinaliza que fará bomba

Bartô Granja, Edição

O Irã terá que revisar sua participação no Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP) se o Ocidente prosseguir com sua pressão sobre o país, disse o embaixador do Irã na Rússia, Kazem Jalali, durante entrevista `agência russa Rossiya Segodnya.

“Como você sabe, o parlamento do Irã recentemente se envolveu em discutir a questão de deixar o TNP. É por isso que, é claro, se os iranianos, o parlamento iraniano e o governo sentem que a pressão continua, eles terão que tomar outras decisões”, disse Jalali.

No entanto, o embaixador acrescentou que Teerã continua comprometido com o TNP e também não tem planos de deixar o acordo de não produzir bombas atômicas. Ele sublinhou, porém, que udo vai depender do tratamento que o país receba do Ocidente. Ao menos por ora, assegurou, “não vamos abandonar o acordo”.

No mês passado, o Parlamento iraniano apresentou uma moção para o país sair do TNP após um anúncio do ministro das Relações Exteriores do país, Mohammad Javad Zarif, de que o Irã deixaria o tratado se sua questão nuclear fosse encaminhada ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.

As observações de Zarif foram uma resposta a uma decisão anteriormente tomada pela Alemanha, França e Reino Unido de lançar o Mecanismo de Resolução de Disputas no âmbito do Plano de Ação Conjunto Conjunto (JCPOA).

A ação dos países aconteceu após o anúncio do Irã de que estava revertendo suas obrigações sob o JCPOA em meio a uma renovada escalada de tensões com os EUA pelo assassinato do principal comandante militar do país, Qasem Soleimani, no início de janeiro.

O JCPOA é um acordo sobre o programa nuclear do Irã alcançado em 2015 com cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU: China, Rússia, França, Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha. O acordo previa que o Irã limitaria suas atividades nucleares em troca de sanções econômicas reduzidas.

Em maio de 2018, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que Washington estava se retirando do JCPOA, chamando-o de “um acordo horrível e unilateral” que “não trouxe paz e nunca será”. Em uma medida criticada pelos outros signatários do acordo, Trump também restabeleceu todas as sanções contra Teerã com o objetivo de reduzir suas exportações de petróleo “a zero”.

No aniversário de um ano da retirada dos EUA, a República Islâmica anunciou que suspenderia alguns de seus compromissos voluntários sob o acordo nuclear e retomaria o enriquecimento de urânio em um nível mais alto em 60 dias, a menos que os cinco signatários restantes – Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha – garantissem a proteção dos interesses de Teerã.

Quando o prazo expirou, o Irã disse que começaria a enriquecer urânio além do nível 3,67 estabelecido pelo acordo e gradualmente reduziria suas obrigações nucleares a cada 60 dias.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente