Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Lenha na fogueira

Israel faz manobra militar simulando ataque ao Irã

Publicado

Foto/Imagem:
Tim Corso/Via Sputniknews - Foto Reprodução

As Forças de Defesa de Israel (IDF) realizaram seus maiores exercícios militares como parte do jogo de guerra Chariots of Fire de um mês, que envolveu dezenas de caças, aviões de transporte, aeronaves de reabastecimento, unidades navais, forças de defesa cibernética e milhares de soldados.

As manobras foram realizadas no Mar Mediterrâneo e em Chipre, com as IDF praticando vários cenários, incluindo lutar contra o Hezbollah em terreno semelhante ao do Líbano, combater militantes em áreas urbanas e simular alvos de ataque no Irã.

“Estamos falando sobre o pico de um dos maiores e mais difundidos exercícios já feitos ao longo dos anos […] as IDF vão contra-atacar duramente quem ameaçar os cidadãos do estado de Israel”, afirmou o ministro da Defesa Benny Gantz durante a sua visita a Chipre nesta quarta, 1 de junho.

O IDF disse que os exercícios de Carruagens de Fogo desempenham um papel importante em “manter a prontidão” dos militares israelenses em uma variedade de cenários operacionais.

Israel repetidamente fez insinuações de que não descarta uma opção de ataque militar contra o Irã se acredita que Teerã está perto de construir uma bomba nuclear. A República Islâmica afirmou repetidamente que não pretende construir um.

Em seu recente discurso ao Knesset, o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett declarou que o Irã perdeu a “imunidade” , que supostamente desfrutou usando vários “proxies”. Bennett afirmou ainda que todos que financiarem “terroristas” e os enviarem para atacar Israel “pagariam o preço total”. O primeiro-ministro não deu detalhes sobre suas ameaças.

Seu discurso seguiu-se ao ousado assassinato de um membro do IRGC no meio do dia em Teerã. Hassan Sayad Khodai foi morto a tiros por dois motociclistas quando estava prestes a deixar seu carro. O Irã acusou Israel de organizar o complô para matar Khodai, com a mídia estatal informando que o IRGC prendeu culpados supostamente ligados ao assassinato várias horas depois.

Publicidade
Publicidade