Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Rio

Jardim Botânico cria trilha das Árvores Gigantes

Publicado

Foto/Imagem:
Alana Gandra/Via ABr - Foto/Divulgação

A Trilha das Árvores Gigantes, que reúne as 11 maiores árvores da coleção viva do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ), foi lançada nesta quarta-feira (21), Dia da Árvore. A maior dessas árvores é um exemplar de mogno africano (Khaya senegalensis), com 49,1 metros de altura, o equivalente a um prédio de 16 andares.

Na sexta-feira (23) e no sábado (24), haverá visitas gratuitas guiadas à trilha, às 10h e às 14h. Após esses dias, o ingresso para a trilha custará R$ 22, fora o valor do ingresso no arboreto.

Para participar, é preciso fazer inscrição prévia pelos telefones (21) 3874-1808 e (21) 3874-1214 ou pelo e-mail [email protected] Os ingressos para o Jardim podem ser comprados na bilheteria ou pelo site do Jardim Botânico. O guia levará os visitantes a cada uma das 11 árvores gigantes e dará explicações sobre nome, procedência, uso de cada exemplar delas (marcenaria, ornamentação ou alimentação. Não há limite de idade para as visitas.

A trilha apresenta os maiores vegetais do Jardim Botânico do Rio, com altura superior a 25 metros. A jornalista Camila Oliveira, condutora do Centro de Visitantes, que será uma das guias na trilha, disse à Agência Brasil que um estudo feito pelo JBRJ, com uso de um drone, verificou o volume de carbono que as árvores do local são capazes de armazenar.

“O drone tem um sensor de luz. A luz bate no chão e volta para ele. Com isso, conseguiu-se ver a altura das árvores. Quanto mais clara era a luz, mais alta era a árvore. Assim, eles conseguiram descobrir as 11 maiores árvores do Jardim”, explicou. O estudo mapeou os 52 hectares do Jardim Botânico.

Emissões
Dados preliminares do estudo mostram que a maior sumaúma do JBRJ, com 40,01 metros de altura, acumula 12 toneladas de carbono. Isso significa que a árvore, sozinha, evita a emissão na atmosfera de 12 toneladas de carbono. “Era a árvore favorita do [maestro e compositor] Tom Jobim”, destacou Camila. A sumaúma é uma planta tropical da ordem Malvales e da família Malvaceae, nativa do México, da América Central, das Caraíbas, do norte da América do Sul e da África Ocidental. É a árvore oficial de Porto Rico.

As árvores gigantes desempenham papel ecológico importante nas florestas. Sobre seus imensos galhos, várias espécies de plantas e animais sobrevivem, em consequência do microclima específico que envolve umidade e luminosidade. Servem também como abrigos e suporte para ninhos.

Depois do mogno africano, a segunda árvore mais alta é uma das famosas palmeiras-imperiais (Roystonea oleracea), nativas do Caribe, com 48,1 metros.

As demais árvores gigantes do arboreto são a faveira-branca (Parkia multijuga Benth), com 36,9 m, nativa da América do Sul; a alfarrobeira-africana (Parkia biglandulosa Wight & Arn), com 37 m, nativa de Bangladesh e Myanmar; o jequitibá-rosa (Cariniana legalis (Mart.) Kuntze), que alcança no arboreto 31 m e é endêmica do Brasil; a fava-de-bolota (Parkia pendula (Willd.) Benth. ex Walp), com 34,5 m, nativa da América Latina; o eucalipto-da-tasmânia (Eucalyptus globulus Labill), com 39,5m, que pode alcançar até 70m na natureza, nativa da Austrália e Tasmânia; o durião (Durio zibethinus L.), espécime com 33,03 m, com distribuição no Sudeste da Ásia; o pau-mulato (Calycophyllum spruceanum (Benth.) K. Schum.), com 29,62 m, nativa da América do Sul; o Okoume (Aucoumea klaineana Pierre), com 36,35 m, nativa da Africa Tropical Central.

Descobertas
As árvores gigantes mais conhecidas no mundo são as sequoias, que crescem no oeste dos Estados Unidos. Podem alcançar mais de 100 metros de altura.

No Brasil, foram descobertos recentemente na Amazônia, entre os estados do Amapá e Pará, espécimes de angelim-vermelho (Dinizia excelsa), com 88 metros de altura e 9 metros de diâmetro, com estimativa de mais de 400 anos.

Publicidade
Publicidade