Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Lixo da pandemia ameaça também a natureza

Sérgio Mansilha

Os primeiros dias de afrouxamento da pandemia, as habilidades curativas da natureza foram exaltadas e as pessoas saíram para buscar recreação. Agora estamos colhendo as consequências, e nem todas são bonitas.

As áreas da natureza que afirmamos amar estão sofrendo com o peso do uso excessivo, incluindo lixo, vandalismo ou danos involuntários. Embora nem todos concordem que jogar lixo se tornou um problema sério, as evidências anedóticas pintam um quadro diferente.

Aliás, o problema não se limita às áreas naturais, o lixo de fast food parece ter se multiplicado ao longo de nossas ruas e estradas e há a nova preocupação de máscaras e luvas usadas aparecendo nas ruas e calçadas.

Pessoal, ambos os tipos de lixo devem ser deplorados, mas o lixo da natureza parece especialmente desmoralizante, precisamente porque fomos instados a confiar na natureza para nos ajudar a superar a pandemia.

Na verdade, existe uma psicologia por trás do lixo, acredite ou não. E a pandemia Ccovid-19 adiciona seu próprio toque a isso.

Um problema, por mais compreensível que seja, é que as pessoas estão preocupadas com questões maiores do que jogar lixo nos dias de hoje. A sobrevivência está no topo da lista, e eles simplesmente não têm a largura de banda emocional para se preocupar com o meio ambiente também, embora seu bem-estar emocional e sobrevivência física estejam ligados ao meio ambiente.

Outro problema é que simplesmente há mais lixo a ser descartado, luvas e máscaras incluídas. Muitas famílias e empresas estão usando produtos descartáveis ​​na tentativa de interromper a transmissão da COvid-19. Esse lixo tem que ir para algum lugar.

Podemos precisar de uma campanha contra o lixo, para chamar a atenção das pessoas e incentivá-las a cuidar de seus arredores naturais. Para o alívio, a beleza e a paz que a natureza nos dá, devemos estar dispostos a cuidar dela em troca. Se não o fizermos, podemos matar exatamente aquilo que afirmamos amar.

Pense nisso.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente