Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Lula é melhor que Trump pra explodir a moral

Ka Ferriche

Sem interromper seu holliday na Flórida, Donald Trump autorizou a delivery para o general iraniano – e terrorista, segundo a Casa Branca, mas herói, para o mundo islâmico – Qassem Soleimani, morador do outro lado do mundo. O drone MQ-9 Reaper, que transportou a encomenda, não erra endereços. Os efeitos colaterais da entrega infalível deixaram o destinatário em pedaços.

Os reflexos da ação nos corações e mentes podem ser maiores que os físicos e simbólicos repercutidos até agora em todos os países. No Brasil, nenhum dos admiradores do ‘terrorista’ (integrantes da esquerda petista) lamentou publicamente a perda do líder iraniano. Mas, dizem, estão reunidos em luto silencioso e estratégico, para não chamar a atenção da opinião pública. Poderia afundar de vez o bloco comunista por aqui.

Se algum líder mundial acredita que o míssil de Trump é poderoso, não conhece Lula Adúltero da Silva. Esse, sim, arrebenta corações e mentes. O brasileiríssimo artefato desenvolvido em Garanhuns é capaz de destruir famílias inteiras. A falecida Marisa Letícia, esposa oficial do condenado Lula, percebeu o perigo. Exigiu que o marido prodígio não transportasse mais, em suas viagens internacionais, a secretária da presidência Rosemary Noronha, a Rose.

Segundo Sônia Nóvoa, sua irmã Rose chifrava o marido José Claudio com Lula, que chifrava Marisa Letícia, que não suportava o caso. Rose foi protagonista da Operação Porto Seguro, que investigou a venda de pareceres técnicos em várias instâncias do governo. Dezenas de servidores liderados por ela caíram na mira da Polícia Federal. Rose explodiu, entrou em desuso e sumiu.

Mas Lula não abandona o estrago, nunca. Sem Rose, havia backup: Janja. Pobre Marisa Letícia, morta de desgosto, quando achou que estaria livre da ameaça, viu surgir Rosângela da Silva. Essa perdurou até os dias de hoje e foi anunciada como noiva oficial do amigo de Soleimani. Janja tanto fez ao longo dos anos que será, finalmente, a esposa anunciada de Lula, que afirma ter ficado com a amada apenas recentemente na cadeia.

Testemunhas desmentem e dizem que o Air Force 51, apelido do avião da Presidência na era petista, foi palco incontáveis vezes das aventuras extraconjugais da eminência parda da esquerda nacional. Um pub voador. E quem pagou a farra foram os brasileiros.

Valter Sâmara, um fazendeiro arrependido, afirmou que Janja é tão trambiqueira quanto Rose, que foi seu fiador no aluguel de um apartamento – a pedido de Lula – que ela não pagou, abandonou, deixando um rastro de destruição no imóvel que teria lhe custado 50 mil reais. As lições deixadas por aquele que nunca estudou, levam qualquer mortal comum ao doutorado em malandragem, malfeito e falta de decoro.

Bill Clinton, ex-presidente dos EUA, quase submetido a um impeachment, acusado de estampar discretamente um vestido da estagiária Monica Lewinsky, assumiu o desvio de comportamento publicamente. Ao declarar a verdade, foi perdoado pela esposa Hillary e milhões de eleitores. Lula, ao contrário, forjado pela sucessão de mentiras intercontinentais, declara ao país que Janja surgiu agora durante seu compulsório descanso – aliás, do nosso – em Curitiba.

Não é por vergonha, mas por conveniência. Para que a gravidade dos fatos por ele cometidos no exercício do poder caiam na banalidade, como milhões de casos de adultério que acontecem na sociedade de anônimos. Imaginam os esquerdopatas que não há sentido moral e estratégico corrigir a falta de caráter do mestre em ilusões.

Não vale a pena assumir a verdade. Além disso, todo o passado criminoso do hemisfério vermelho é culpa da Marisa Letícia. Inclusive as irresistíveis Rose e Janja. Melhor deixar como está. Radicais de direita pensam lançar um crowdfunding com 60 milhões de contribuintes para comprar um MQ-9 Reaper e usá-lo contra as mentiras. Haja munição…

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente