Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Maduro acusa Trump de pagar mercenários para matá-lo

Foto/Sputniknews
Bartô Granja, Edição

O presidente venezuelano, Nicolas Maduro, acusou os Estados Unidos e o líder da oposição Juan Guaido de estarem diretamente envolvidos em um plano para matá-lo. “O imperialismo norte-americano quer me matar. Acabamos de expor o plano que o fantoche do diabo [Guaidó] dirigiu pessoalmente para me matar” , disse Maduro , falando aos partidários em uma manifestação neste domingo, 24.

“Temos provas; eles não poderiam e não podem [ter sucesso] porque somos protegidos por Deus”, acrescentou Maduro. O líder da Venezuela ressaltou que o Ministério Público fez sérios progressos no caso, com “novos terroristas” previstos para serem presos “nos próximos dias”.

Na semana passada, a segurança venezuelana prendeu o chefe de gabinete de Guaidó, Robert Marrero, acusando-o de organizar uma célula terrorista e conspirar para assassinar altos funcionários venezuelanos e realizar atos de terrorismo e sabotagem usando dinheiro de contas bancárias venezuelanas congeladas no exterior.

Falando na televisão venezuelana no sábado, o ministro da Comunicação Jorge Rodriguez alegou que a oposição havia recrutado os assassinos e paramilitares para enviá-los à Colômbia para treinamento. “Marrero estava envolvido na contratação de pessoas da Guatemala e da Colômbia para cumprir o plano de recrutamento e treinamento para assassinos”, disse ele.

Rodriguez forneceu informações detalhadas sobre a trama, que, segundo ele, incluiu a criação de mais de meia dúzia de equipes de oito mercenários para perseguir os líderes políticos e militares da Venezuela, além de realizar conspirações terroristas contra o Estado. As evidências incluíam gravações do que se dizia serem conversas do WhatsApp entre Marrero e Guaido sobre o uso de fundos venezuelanos congelados por sanções dos EUA para financiar grupos armados com o apoio da Colômbia.

As autoridades venezuelanas já identificaram alguns dos mais de 30 paramilitares que se infiltraram na Venezuela a partir de El Salvador, Honduras e Guatemala depois de serem treinados na Colômbia, segundo Rodriguez.

Já Maduro, em seu discurso, também indicou que um chefe paramilitar colombiano não identificado também havia sido capturado e agora estava “dando testemunho”.

A longa crise política da Venezuela se intensificou no final de janeiro, quando Juan Guaidó, chefe da semi-extinta Assembléia Nacional, declarou-se presidente interino na pendência de novas eleições, poucos dias depois da posse de Maduro para um segundo mandato.

A trama recebeu apoio imediato dos EUA e de seus aliados latino-americanos, além da Europa. Rússia, China, Cuba, Bolívia, Turquia, Síria, Coréia do Norte e vários outros países condenaram a tentativa de golpe e conclamaram os poderes externos a não interferirem nos assuntos internos da Venezuela.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente