Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Mar avança mais e Alexandria pode virar Atlântida

Carolina Paiva, Edição

A lendária cidade de Alexandria, fundada há milênios por Alexandre, o Grande, e lar de muitas maravilhas do mundo antigo, agora enfrenta uma ameaça nova e inexorável, à medida que o aumento constante do nível do mar deve deixar muitos de seus bairros e sítios arqueológicos em risco de inundação .

Enquanto as autoridades locais se movem para construir barreiras de concreto no mar para evitar esse perigo, uma forte tempestade que devastou a cidade em 2015 acabou “expondo fragilidades na infraestrutura local”, admitem as autoridades locais.

A situação da cidade é ainda mais exacerbada por sua localização, pois Alexandria é cercada por três lados pelo Mar Mediterrâneo e ainda tem um lago para piorar a situação. Esses fatores aparentemente tornam Alexandria especialmente suscetível à ameaça representada pelo aumento do nível do mar.

Anteriormente, o Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas alertou que o possível aumento do nível do mar, de 0,28 para 0,98 metros até 2100, terá “sérias implicações para cidades costeiras, deltas e estados baixos”.

O Ministério de Recursos Hídricos e Irrigação do Egito observa que, embora o nível do mar tenha aumentado em média 1,8 mm por ano até 1993, esse número aumentou para 2,1 milímetros por ano durante as duas últimas décadas e, desde 2012, atinge 3,2 milímetros por ano, o que é “suficiente” para ameaçar toda a área.

Os moradores do bairro el-Max, onde centenas foram forçados a abandonar suas casas após as inundações de 2015, também reclamaram que as defesas marítimas instaladas pelas autoridades para proteger a área, que abriga várias instalações industriais, incluindo uma refinaria de petróleo e uma fábrica de cimento, não são muito eficazes.

“Todos os anos as ondas são muito mais fortes que no ano anterior”, disse Abdel-Nabi el-Sayad, um pescador de 39 anos. “Não vimos nenhuma melhoria. Eles apenas forçaram as pessoas a sair”.

Ashour Abdel-Karim, chefe da Autoridade Geral Egípcia para Proteção de Margens, revelou que o governo destinou mais de 120 milhões de dólares para a construção de barreiras de proteção ao longo da costa, observando que, sem essas medidas, partes da orla da cidade e edifícios localizados próximos à costa sofreriam maiores danos.

“Estamos cientes de que esta rua, que sobreviveu por centenas de anos, pode ficar submersa nos próximos anos, durante a nossa vida”, disse Mohammed Mahrous, que trabalha em uma livraria localizada na Rua Profeta Daniel, considerada uma das ruas mais antigas do mundo. “Todos os anos as ondas são mais fortes do que no anterior. O inverno é mais duro e o verão é mais sufocante.”

Enquanto isso o mar vai avançando, com as ondas, como uma marolinha, prenunciando a chegada de uma nova Atlântida a médio prazo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente