Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Marte tem vida, nem que seja apenas micróbio

Carolina Paiva, Edição

O Planeta Vermelho parece entrar em erupção com o metano de tempos em tempos, uma possível indicação da vida microbiana abaixo da superfície do planeta. Novas leituras da Curiosity da Nasa recebidas na sexta-feira detectaram novamente o metano, mas em concentrações muito mais altas do que as relatadas anteriormente, de acordo com o The New York Times.

Lançada em 2011, a Curiosity detectou pela primeira vez o metano na superfície marciana em 2013, mas as evidências do gás desapareceram mais tarde, deixando os cientistas desconcertados sobre como interpretar as leituras. Os resultados foram então confirmados por uma nave espacial orbital da ESA conhecida como Mars Express, que também detectou um pico de metano.

Mas a missão orbital da ESA/Roscosmos Trace Gas Orbiter (TGO), atualmente em órbita marciana, não encontrou traços de metano na atmosfera, aumentando o mistério.

Embora as medições anteriores tenham retornado uma densidade de metano de até 7 partes por bilhão na atmosfera, já considerada alta, as novas leituras da NASA nesta semana mostram um aumento de 21 partes por bilhão.

Grupos separados de cientistas responsáveis ​​pelo Curiosity, o Mars Express e o TGO discutiram as novas leituras de metano, mas ainda não estão prontos para uma conclusão definitiva. Marco Giuranna, cientista do Instituto Nacional de Astrofísica na Itália que trabalha com a Mars Express, disse que foi informado sobre as 21 partes por bilhão, mas considerou a descoberta como “preliminar”.

“Muitos dados [continuam] para serem processados”, disse Giuranna em um e-mail, de acordo com o The New York Times. “Vou ter alguns resultados preliminares até a próxima semana.”

Os cientistas explicam que o problema de usar os níveis de metano para responder se existe vida em Marte reside no fato de que o gás pode ser produzido por micróbios – semelhantes àqueles que vivem em condições de baixo oxigênio, como rochas subterrâneas profundas ou tratos intestinais de animais. – ou por atividade geológica . Essas diferentes fontes liberam metano acompanhado por propano ou etano (qualquer um dos quais sugeriria atividade biológica) ou dióxido de enxofre, o que sugeriria uma origem geológica para o material.

No próximo ano, duas novas naves estão programadas para serem lançadas em Marte: a Mars 2020 da NASA e a Rosalind Franklin da ESA/Roscosmos. O Rosalind Franklin, anteriormente conhecido como o ExoMars rover, é nomeado para um cientista britânico do século 20 conhecido por pesquisas de DNA. Ambas as missões serão equipadas com sensores para detectar os vários blocos de construção da vida baseada em carbono e chegarão à superfície de Marte em 2021.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente