Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Marte teve um dilúvio como o da Terra, na versão da Bíblia

Foto/Sputniknews
Bartô Granja, Edição

A Mars Express, uma sonda veterana de pesquisa atmosférica desenvolvida e lançada pela Agência Espacial Européia com assistência russa em 2003 para obter uma melhor compreensão da atmosfera marciana e do clima, enviou de volta novas fotos surpreendentes confirmando que Marte já teve água. Muito disso.

A ESA publicou imagens mostrando toda uma rede de trincheiras e vales desidratados, o que, segundo acredita, equivale a “sinais claros de traços anteriores de atividade de água em toda a superfície marciana”.

Juntamente com um mapa contextual, a agência divulgou snaps de satélite topográficos detalhados mostrando uma antiga rede fluvial, situada nas terras altas do sul de Marte, a leste da cratera Huygens.

De acordo com a ESA, a topografia geral da região parece indicar que a água desceu a partir do norte, escavando vales de até dois quilômetros de largura e 200 metros de profundidade.

A agência espacial observou que, embora permaneça “incerto de onde toda essa água veio originalmente – precipitação, lençol freático, [ou] derretimento de geleiras”, o que era óbvio é que exigia condições de um passado marciano muito mais quente e úmido, junto com um atmosfera mais densa que poderia bloquear o calor e facilitar o suporte para água líquida.

A Mars Express, a segunda mais longa espaçonave continuamente ativa que opera em um planeta que não seja a Terra, apresenta vários instrumentos emprestados da Mars 96, uma missão fracassada de sonda russa em Marte associada ao programa de sondas da Mars.

A sonda foi lançada do Cosmódromo de Baikonur e enviada para órbita a bordo de um foguete Soyuz-FG antes de fazer sua viagem ao Planeta Vermelho com a ajuda de um estágio superior de Fregat. Ao longo de sua vida útil, a sonda fez uma série de descobertas importantes em suas milhares de órbitas, fornecendo mapeamento detalhado da superfície marciana, descobrindo gelo de água no pólo sul do planeta, elementos traços de metano (acredita-se que seja uma possível fonte de vida orgânica ), e realizando pesquisas sobre a lua marciana de Fobos.

Em 2012, os cientistas calcularam que a sonda ainda tem combustível suficiente para mais 14 anos de pesquisa. Em dezembro passado, a Mars Express transmitiu imagens surpreendentes da cratera Korolev de 80 quilômetros de largura, estimada em 2.200 quilômetros cúbicos de gelo de água na superfície de Marte.

Na quinta-feira, o Dr. Igor Mitrofanov, membro sênior do Instituto de Pesquisas Espaciais da Academia Russa de Ciências, comentou outra missão, a russa ExoMars-TGO, que compilou seus próprios mapas detalhados da distribuição e aglomeração de água. recursos ao longo da superfície marciana após seu lançamento em 2016.

“Nós mostramos que Marte tem várias grandes regiões, cerca de um terço das quais consistem em gelo de água. Duas delas estão localizadas em pontos quase opostos do planeta nos hemisférios norte e sul. Outra, localizada no equador do planeta, tem sido apelidado de “grande área de água”, disse Mitrofanov, falando na reunião do Conselho de Espiritualidade da Academia Russa de Ciências, em Moscou, na quinta-feira.

A sonda ExoMars-TGO é um projeto conjunto da Roscosmos e da ESA e está equipada com uma série de instrumentos avançados para fornecer aos cientistas uma melhor compreensão dos gases traços presentes na atmosfera marciana. A espaçonave tirou suas primeiras fotos da superfície marciana em 15 de abril de 2018.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente