Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Índia

Médicos removem tecido mamário de quase três quilos

Publicado

Foto/Imagem:
Dharia Maheshifari/Via Sputniknews - Foto Divulgação

Gigantomastia é uma doença rara em que os seios crescem excessivamente, com apenas algumas centenas de casos relatados na literatura médica. A condição ocorre espontaneamente devido a “tecidos ou hormônios abertamente sensíveis” ou como uma complicação pós-gravidez. As mulheres aflitas sentem como se estivessem carregando um fardo enorme no peito.

Agora, médicos do Hospital Sir Ganga Ram de Delhi, Índia, realizaram com sucesso uma cirurgia de redução de mama em uma mulher dos Emirados Árabes Unidos, dizendo que “nunca tinham visto” seios tão grandes nos últimos 40 anos.

De acordo com um comunicado do hospital compartilhado, a mulher de 60 anos sofria de um caso extremo de Gigantomastia : a condição de ter seios de tamanhos anormais.

Durante o procedimento médico, os médicos retiraram 1,3 kg de tecido mamário do lado esquerdo e cerca de 1,4 kg do lado direito, conforme comunicado. No geral, cerca de 2,7 kg de tecido foram removidos ao redor dos seios da mulher.

O médico Rajeev B. Ahuja, consultor sênior do Departamento de Cirurgia Plástica e Estética do hospital, destacou que os seios da mulher chegavam “cinco centímetros abaixo do umbigo”.

“Nos meus últimos 40 anos de experiência, vi muitos seios enormes, mas essa paciente tinha os seios maiores, do tamanho que eu nunca tinha visto antes, e que eram a causa raiz de todos os seus sintomas, levando a uma qualidade extremamente ruim de vida”, disse Ahuja.

O médico indiano observou ainda que a mulher sofria de “forte dor nas costas, dor no pescoço, dificuldade para andar, pressão excessiva no ombro devido às alças do sutiã e erupções cutâneas (Intertrigo) sob os seios. “Ela estava levando uma vida miserável nos últimos 30 anos”, disse o médico. “A cirurgia foi desafiadora e durou cinco horas e meia”.

Ahuja revelou que os médicos decidiram não seguir o procedimento médico convencional geralmente seguido ao operar mulheres com Gigantomastia. “Na maioria destes casos, a cirurgia padrão é fazer uma amputação parcial da mama com enxerto livre de mamilo, o que não é esteticamente agradável, mesmo que reduza a carga no peito”, sublinhou.

Neste caso, no entanto, os médicos decidiram fazer um procedimento médico conhecido como “redução de mama por uma técnica padrão”. Eles explicaram que a técnica é empregada para cirurgias que envolvem “mamas grandes”, mas geralmente “não é recomendada” para Gigantomastia.

Explicando a decisão, Ahuja disse que seguir o procedimento convencional (que envolve a amputação parcial da mama) pode ter levado a outras complicações médicas na mulher, incluindo “descoloração do mamilo”.

O hospital disse que a paciente recebeu alta três dias após a cirurgia e os pontos foram retirados após duas semanas.
“Ela agora está usando um sutiã tamanho copa sem nenhum desconforto e vivendo uma vida feliz e sem dor”, acrescentou Ahuja, observando também que o custo incorrido pela mulher foi quase um quinto do que ela estava sendo cotada em hospitais dos Emirados Árabes Unidos.

Publicidade
Publicidade