Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Lá como cá

Megatsunami gerado por asteroide mudou Marte

Publicado

Foto/Imagem:
Egor Shapovatov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Cerca de 4,5 bilhões de anos atrás, acredita-se que Marte tenha tido uma hidrosfera de superfície ativa. Na época, as planícies do norte do planeta eram cobertas por um oceano salgado com um volume de até 17 milhões de km³, comparável ao estado atual do Oceano Ártico.

Uma equipe de planetólogos liderada por Alexis Rodriguez, pesquisador do Instituto de Planetologia de Tucson, nos Estados Unidos, descobriu uma cratera até então desconhecida na superfície da Chryse Planitia, cuja formação gerou uma poderosa onda de tsunami. O asteroide que o causou era comparável em tamanho ao meteoro que destruiu os dinossauros, escreveram os cientistas em um artigo na revista Scientific Reports.

Para surpresa dos cientistas planetários, as primeiras imagens do Vale Maya da Viking 1 não apresentavam as características típicas do relevo associadas a inundações que eram esperadas, incluindo depósitos de rochas alinhadas e acumulações em forma de gota de areia e argila. Em vez disso, as fotos dos “vales maias” mostraram planícies cobertas por grandes paralelepípedos.

Rodriguez e seus colegas descobriram que um desses tsunamis realmente existiu, e os cientistas também descobriram sua fonte – a anteriormente desconhecida cratera Pohl, de 110 quilômetros de extensão, localizada nas planícies 900 km a nordeste de Maja Valles. Resultou do impacto de um asteroide de 10-12 km há cerca de bilhões de anos, quando a superfície de Marte ainda era coberta por oceanos.

A queda de um asteroide em um desses oceanos resultou em uma explosão e na formação de um megatsunami cujas ondas atingiram a altura de 250 metros ao chegarem à costa.

“Nossos eventos simulados de megatsunami gerados por impacto correspondem de perto às margens do depósito de megatsunami mais antigo mapeado e preveem frentes atingindo o local de pouso do Viking 1”, escrevem os pesquisadores. “A localização do local ao longo de um lóbulo voltado para o planalto alinhado a sulcos erosivos suporta uma origem de megatsunami. Nossas descobertas permitem que as rochas e os sais do solo no local de pouso sejam de origem marinha, convidando à reconsideração científica das informações coletadas nas primeiras medições in-situ. em Marte.”

A esse respeito, o tsunami marciano foi comparável em efeito aos eventos que ocorreram na Terra há 66 milhões de anos, quando os dinossauros foram extintos. Isso torna a Cratera Pohl e seus arredores particularmente interessantes para o estudo, concluíram os cientistas.

Publicidade
Publicidade