Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Moro bate de frente com STF sobre Caixa 2

Foto: Antônio Cruz/ABr
Marta Nobre

A Justiça Eleitoral não tem condições de julgar os processos envolvendo suspeita de corrupção e de lavagem de dinheiro, mesmo quando associados a crimes eleitorais, como o Caixa 2. A opinião é do ministro da Justiça Sérgio Moro. E se choca com a votação em andamento no Supremo Tribunal Federal, quer tende a esvaziar a Lava Jato.

“A posição do ministério, já externada publicamente, é de que a Justiça Eleitoral, embora faça um trabalho excelente na organização das eleições e na resolução de questões pontuais eleitorais, não está bem estruturada para julgar crimes mais complexos, como lavagem de dinheiro e corrupção”, afirmou o ministro.

Para Moro, o ideal é separar a competência para julgar os crimes eleitorais dos de maior complexidade. “O ideal é que haja uma separação. Esperamos respeitosamente que o STF profira a melhor decisão”, disse o ministro.

O Supremo começou a examinar o assunto. A votação, suspensa na quarta e que deverá ser retomada nesta quinta, está 2 a 1 para entregar casos dessa natureza à Justiça Eleitoral. A posição de Moro é a mesma de Raquel Dodge, procuradora-geral da República. Os dois entendem que crimes políticos devem ser julgados pela Justiça Federal.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente