Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Vota Brasil

Mourão acena com pacificação e sugere diálogo com todos

Foto: Dida Sampaio/EstadãoConteúdo
Tânia Monteiro

Candidato a vice de Jair Bolsonaro (PSL), o general Hamilton Mourão votou às 9h15 deste domingo na Escola da Vila Militar do Regimento de Cavalaria de Guardas, no Setor Militar Urbano, em Brasília, e falou sobre a possibilidade de vitória já no primeiro turno. Ele levou a “cola” num papelzinho amarelo e gastou 35 segundos na cabine de votação. “Pelas últimas avaliações, temos em torno de 40% de chance de encerrarmos no primeiro turno”, disse. “Mas não é certo.”

Mourão acrescentou que encerrar a disputa no primeiro turno seria “muito bom” e daria à equipe três semanas a mais para preparação antes da posse. Mas não haverá frustração se o pleito for para o segundo turno. “Seria muito bom se isso ocorresse, mas se não ocorrer, faz parte do processo.”

Segundo o general, Bolsonaro já vem sendo procurado por parlamentares de diferentes bancadas. “Teremos um bom apoio”, comentou.

Questionado se confiava no sistema de urnas eletrônicas, ele afirmou: “Se não acreditássemos no sistema, não estaríamos participando.” No mês passado, Bolsonaro disse que não aceitaria um resultado diferente de sua vitória. Depois, amenizou sua afirmação.

Mourão informou que Bolsonaro está em boas condições físicas, após se recuperar do atentado ocorrido no dia 6 de setembro. “Só não pode falar muito”, explicou. “Mais uns dez dias, terá condições de participar mais ativamente da campanha.” Ele acha difícil que Bolsonaro participe de campanha de rua e deixou em dúvida também a presença em debates.

Ele considera positivo que, havendo segundo turno, possa haver debate de ideias. “Se cair nesse nível, seria ótimo, porque não houve debate de ideias no primeiro turno”, disse. “Acredito que possa ocorrer debate de ideias no segundo turno.”

Quando lhe perguntaram se haveria risco de conflitos com o PT, Mourão procurou passar uma mensagem de pacificação. “Não tenho conflitos na minha vida”, disse. “Eu e o Bolsonaro somos formados na Academia Militar das Agulhas Negras, pertencemos ao Exército de Caxias, o Pacificador, aquele que uniu o Brasil no século XIX. Esse é o nosso lema: vamos unir o Brasil.”

Ao sair da seção eleitoral, Mourão encontrou-se com o general Paulo Chagas, que concorre ao governo do Distrito Federal pelo PRP e gritou: “44 na cabeça!”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente