Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Mulheres lideram marcha contra privatizações

Bartô Granja, Edição

Milhares de trabalhadores, liderados por mulheres, protestaram nesta quinta (13) na ilha de Velha San Juan, contra a privatização da Central Elétrica de Porto Rico.

A marcha da família da energia, como a União dos Trabalhadores da Indústria Eléctrica e de Rega (Utier) lhe chamou, ratificou a sua rejeição da entrega da empresa pública ao consórcio norte-americano LUMA Energy, considerando que prejudica o povo porto-riquenho em todos os sentidos.

Com um banner em uma das pontas da avenida que leva ao Capitólio, sede da Assembleia Legislativa no setor Puerta de Tierra, as mulheres exigiram que o líder porto-riquenho Pedro R. Pierluisi ouvisse as demandas do povo.

‘Pierluisi escuta o povo; cancela o contrato com a LUMA’, afirmaram na faixa exibida pelos trabalhadores do PREPA no início do protesto, junto com o presidente do Utier (sindicato), Ángel Figueroa Jaramillo.

A corporação americano-canadense, cuja chegada a Porto Rico é um mistério, não contribuirá com um único centavo para o processo de privatização, então caberá ao povo pagar US $ 1,5 bilhão em 15 anos.

Os membros do Utier alertaram que não irão parar até que suas reivindicações contra a LUMA Energy sejam tratadas.

Figueroa Jaramillo disse que o governador Pierluisi, que viajou a Washington neste dia, deve ouvir as demandas da população, porque não só aumentará o custo da conta de luz, mas também os trabalhadores serão deslocados.

Os membros da Utier e demais organizações de empregados do AEE estadual, bem como os Aposentados do AEE, a Associação dos Gestores e o Sindicato dos Trabalhadores Profissionais Autônomos, além de outros setores solidários.

Enquanto isso, o presidente da Câmara dos Deputados, Rafael Hernández Montañez, alertou que a entrega de 750 milhões de dólares para a LUMA Energy não seria aprovada, como exige o Conselho Fiscal de Supervisão, imposto por Washington ao governo da ilha.

O consórcio norte-americano planeja assumir a transmissão e distribuição de energia elétrica no país em 1ú de junho.

Entre os participantes da marcha estava o senador Rafael Bernabe, do Movimento Vitória Cidadã (MVC), que ressaltou, como prometeu, não abandona a luta na rua.

Também esteve presente o coordenador geral do MVC, Manuel Natal Albelo, que exortou o governador a suspender este contrato, que aparentemente não foi o produto de uma análise rigorosa, como a realizada pelo Utier, pelo que é prejudicial para o país.

‘Entendemos que é um contrato oneroso para todas as pessoas, nas suas casas e nas suas pequenas e médias empresas, que verão aumentar as tarifas de eletricidade e água, e se tivessem feito uma análise rigorosa, teriam concluído que se trata de um mau contrato’, disse o antigo legislador.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2021 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente