Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Ataque às Torres Gêmeas

Mundo vive sobressaltos após 21 anos do 11/9

Publicado

Foto/Imagem:
Tim Korso/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O ataque ao World Trade Center e ao Pentágono com aviões sequestrados não apenas forçou os aeroportos globais a aumentar drasticamente as verificações de segurança, mas também levou a uma intervenção de 20 anos dos EUA no Afeganistão e à luta global contra “grupos terroristas”.

Este domingo, 11, marca o 21º aniversário da tragédia de 11 de setembro – um ataque terrorista maciço que custou a vida de quase 3 mil pessoas e chocou não apenas os EUA, mas também outros países.

A caça aos supostos perpetradores – o grupo terrorista Al-Qaeda– resultou na morte de seu notório líder Osama bin Laden, bem como dos militares dos EUA presos no Afeganistão por 20 anos lutando contra o Talibã, apenas para efetivamente devolver o país ao grupo em 2021.

No início da manhã de 11 de setembro de 2001, 19 terroristas da Al-Qaeda divididos em três grupos de cinco e um grupo de quatro sequestraram quatro voos partindo de Boston (voos 11 e 175), Newark (voo 93) e Aeroporto Internacional Washington Dulles (voo 77) logo após a decolagem.

De acordo com o pouco que foi reconstruído a partir dos acontecimentos a bordo, os sequestradores usaram algum tipo de spray, possivelmente spray de pimenta, e facas para subjugar ou matar os tripulantes dos aviões, assim como alguns passageiros.

Apenas 47 minutos após a decolagem, o Boeing 767 do voo 11, controlado pelos terroristas, atingiu a Torre Norte do World Trade Center em Nova York às 8h46, causando danos graves com uma explosão que iniciou incêndios em vários andares. Apenas 17 minutos depois, o voo 175 colidiu com a Torre Sul, também iniciando incêndios.

Após os relatos do primeiro ataque, os serviços de emergência da cidade de Nova York mobilizaram até metade de suas forças, além de bombeiros e pessoal médico de folga para resgatar pessoas das torres e edifícios próximos.

Os danos nas estruturas dos dois megaedifícios e os incêndios enfraqueceram as vigas de aço que os sustentavam, fazendo com que as torres, símbolos do poder capitalista dos EUA, desmoronassem uma após a outra em meia hora entre 9h59 e 10h28 da manhã. Mais de 2.600 pessoas morreram , incluindo funcionários e visitantes da torre, bem como funcionários dos serviços de emergência.

Enquanto as torres do World Trade Center queimavam e o governo e os cidadãos dos EUA ainda tentavam compreender os acontecimentos, o terceiro avião, o voo 77, tentou atravessar o Pentágono, o centro que coordena os empreendimentos militares dos EUA. No entanto, após atingir o solo próximo ao térreo, o Boeing 757 penetrou apenas nos três primeiros anéis externos de um dos lados do prédio, matando 125 pessoas.

O quarto avião não atingiu seu alvo ainda desconhecido. Sua direção sugeria que os terroristas a bordo planejavam atingir a Casa Branca ou o Capitólio, com o último presumido como o objetivo provável. No entanto, quando se aproximou de Washington DC, seus passageiros, que tentaram contatar autoridades e parentes por telefones, souberam dos outros três ataques e tentaram retomar o controle do avião, de acordo com gravações de áudio automatizadas da cabine.

Perdendo o controle da situação, os terroristas do vôo 93 intencionalmente enviaram o avião em um mergulho profundo, colidindo-o em Stonycreek Township, Pensilvânia.

Após o ataque, a Al-Qaeda assumiu a responsabilidade pelos ataques descarados, chamando-os de vingança pelo apoio dos EUA a Israel e intromissão nos assuntos dos países muçulmanos. O grupo estava sediado no Afeganistão, controlado pelo Talibã, e liderado por Osama bin Laden – um membro da rica família saudita.

Apesar de identificar, localizar, capturar ou assassinar as pessoas-chave consideradas responsáveis ​​pela orquestração dos ataques de 11 de setembro, como foi o caso do assassinato de Bin Laden em 2 de maio de 2011, o governo dos EUA nunca divulgou na íntegra os documentos das investigações. Isso provocou duras críticas de algumas das famílias que perderam parentes nos ataques às torres gêmeas e que acreditam fortemente que a Arábia Saudita financiou a Al-Qaeda, tornando Riad parcialmente responsável pelo ataque. Riad, por sua vez, nega veementemente estar envolvido.

Vários presidentes dos EUA, incluindo Joe Biden, prometeram revelar todos os documentos confidenciais restantes, mas algum material permanece oculto aos olhos do público. Isso levou a especulações, principalmente entre os queixosos no processo legal contra o governo da Arábia Saudita por seu suposto financiamento ao grupo terrorista, de que Washington se recusa a abrir os documentos por medo de uma confusão diplomática. Tal reviravolta poderia minar severamente as relações dos EUA com o reino, que é conhecido por ser um dos mais fortes aliados de Washington no Oriente Médio.

Publicidade
Publicidade