Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Grana fácil

Musk sofre saraivada de críticas por querer taxar Twitter

Publicado

Foto/Imagem:
Fantine Gardinier/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Quando o industrial bilionário Elon Musk decidiu comprar o Twitter, ele prometeu mudanças radicais na plataforma, incluindo a redução dos controles de conteúdo projetados para limitar a disseminação de discursos que incentivam a violência e o fanatismo, bem como a desinformação.

Tem sido uma semana tumultuada desde que Musk assumiu o controle do Twitter em 28 de outubro e se declarou “Chief Twit”, ele demitiu um grande número de funcionários, anunciou um novo sistema de taxas para verificação de contas e parece provável abolir as proibições permanentes contra figuras como o ex-presidente dos EUA, Donald Trump.

Todas as mudanças irritaram um dos principais fluxos de receita do Twitter – os anunciantes corporativos – que começaram a colocar seus anúncios pagos na plataforma em pausa. Entre as marcas que interrompem seus anúncios estão Audi, Volkswagen, General Mills e Pfizer, e grandes empresas de publicidade como Publicis Groupe e WPP agendaram reuniões especiais com o novo “Chief Twit” para resolver suas preocupações.

“O Twitter teve uma queda maciça na receita, devido a grupos ativistas pressionando os anunciantes, embora nada tenha mudado com a moderação de conteúdo e fizemos tudo o que pudemos para apaziguar os ativistas”, twittou Musk na sexta-feira.

No entanto, os usuários do Twitter não estavam gostando disso e aproveitaram a exasperação do homem mais rico do mundo para realizar algumas enterradas de nível especializado.

“’Devido a grupos ativistas pressionando os anunciantes’ é uma maneira interessante de dizer que as empresas não querem ser associadas a uma plataforma que está se transformando rapidamente no 4chan”, brincou o autor de ficção Frederick Joseph.

O ativista de solidariedade à Palestina Max Berger lembrou que apenas alguns dias atrás, Musk twittou uma história de um site de teoria da conspiração que espalhou rumores infundados de que o ataque a Paul Pelosi, marido da presidente da Câmara Nancy Pelosi (D-CA), fazia parte de um caso de amor homossexual.

“Talvez os anunciantes simplesmente não queiram ser associados a um negócio dirigido por um cara assim”, observou Berger. Outros aproveitaram a oportunidade para cutucar o bilionário por chorar por seu triunfo de US$ 44 bilhões ter sido destruído pelas chamas.

O desdém de Musk pelos anunciantes já é bem conhecido, então é improvável que a política mude tão cedo.

Publicidade
Publicidade